10 de dezembro de 2008

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Faz hoje 60 anos. E tanto tempo depois é ainda considerada uma utopia... Principalmente porque os países que a assinaram são os que mais põem obstáculos ao seu cumprimento... Fica um excerto:
Preâmbulo

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;

Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos do homem conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração do homem;

Considerando que é essencial a protecção dos direitos do homem através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;

Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;

Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;

Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos do homem e das liberdades fundamentais;

Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso:

A Assembleia Geral

Proclama a presente Declaração Universal dos Direitos do Homem como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição.
ARTIGO 1.º

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

(...)

Não seria preciso mais que isto... que este Artigo 1º. Os outros 29 seriam dispensáveis se apenas e só cumprissemos este Artigo 1º...
Em Portugal estamos bem, se nos compararmos com outros países, mesmo alguns que se dizem desenvolvidos. Ainda assim, subsistem ainda alguns problemas, como a violência doméstica ou o flagrante incumprimento do Artigo 24º (Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres e, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas), se pensarmos nos milhares de pessoas que trabalham a recibos verdes, sem direito a férias, nem sequer a ficarem doentes... Já evoluímos muito, mas há ainda muito a fazer...

10 comentários:

Verónica disse...

Recibos verdes, essa praga, felizmente nunca sofri desse mal...

Ianita disse...

Como as coisas estão, és uma sortuda por nunca teres estado nessa situação! É mesmo uma praga, um cancro...

Kiss

TM disse...

Mas sabes, que ainda que em muitos momentos pareça uma uotpia, eu gosto de acreditar que um dia será um pouco menos utópica e mais real... um dia....

u João disse...

Olá Ana! A declaração dos direitos humanos deveria ser leitura obrigatória todas as manhãs dos diversos ditadorzecos espalhados por aí. Não há muito tempo, esta declaração era também uma miragem no nosso país.
beijo

Lita disse...

Direitos humanos... que ainda não são direitos, para tantos humanos.
O Sam, do fenixadeternum.blogspot.com, faz todos os anos, uma "blogagem colectiva", com logos e tudo. Costumo participar.
Bjos

*Mascote* disse...

É verdade em muitos paises parece uma utopia mesmo mas vamos acreditar que o tempo vai-se encarregar de mudar isso!!!

Beijinhos*

Ianita disse...

Mascote: O tempo é mágico, sem dúvida... e eu tenho confiança nele :) Kisses

Ianita disse...

Lita: eu não sabia de nada disso e publiquei :) só não pus nenhuma imagem, mas neste caso até acho que as palavras....... Kiss

Ianita disse...

João: Não adiantava de muito. Não é a ler isto que as coisas mudam, pelo menos não na idade adulta. Esta declaração deveria ser aprendida na escola, para que pelo menos preveníssemos o aparecimento de mais ditadorzecos, como lhes chamas. Já perdi a esperança para a maioria dos adultos, porque a não ser que levem um choque, tipo o Derek no "América Proibida", nunca vão mudar as suas convicções... Mas as crianças.... Já dizia a Whitney, I believe the children are our future, teach them well and let them lead the way...

Kisses

Ianita disse...

TM: Os sonhos são assim... utopias hoje e realidades amanhã. Foi assim com a máquina de lavar, com os carros, com as idas à Lua e acredito que será assim com os direitos humanos. E enquanto que a ida à Lua não dependia de nós, o cumprimento desta declaração depende. Todos os dias... :)

Kiss