20 de junho de 2008

Uma fénix a arder...

Se a chama chega,
E ninguém chega à chama
Do que vale arder?
Se o barco parte sem velas
De que serve a maré?

Não se mostra o trajecto
A quem parte para se perder
Não se dá boleia
A quem precisa de ir a pé.
E é como quando pensas que estás a chegar
E não deste um passo.
Onde eu estou, nada mais pode crescer
Eu sou assim, uma fénix a arder
São só os meus erros, e toda a minha culpa
E é todo o meu cansaço

Hoje até o ar anda cansado
Preciso de um enigma
P'ra pôr fim ao propor
Não sei o que me deu, não costumo estar assim
Desço a rua que passa, rente à boca do mundo

Sinto a vida que passa
E os rumores que circulam na boca do mundo

Onde eu estou, nada mais pode crescer
Eu sou assim, uma fénix a arder
São só os meus erros, é toda a minha culpa
É tudo o que faço
E é todo o meu cansaço
E é tudo o que faço
E é todo o meu cansaço
Por fim, por fim...
Sinto a vida que passa
Na boca do mundo, não se sabe quem é quem."


Uma fénix a arder. A imagem é bonita. Será possível auto-renovarmo-nos constantemente? A cada dia? A cada desilusão? As máscaras que pomos todos os dias, as nossa personae, serão renováveis? Teremos esta capacidade de renascermos das nossa próprias cinzas como a fénix? Poderemos suportar todo o peso do mundo nas nossas costas? Todas as bocas do mundo?


Não tenho respostas. Carregamos connosco o nosso passado, a nossa estória, que pesa mais que qualquer peso físico, mais que o elefante que a fénix conseguia carregar. Contrariamente ao que pensamos sempre, conseguimos sempre, todos os dias, superar o insuperável. A cada desgosto, a cada coração partido, a cada desilusão, a cada partida da Natureza humana... E, a cada passo que damos, é maior o nosso fardo. Conseguimos, então, ressurgir das nossas próprias chamas? Ou seremos sempre os mesmos... mais velhos, mais maduros, mais "pesados"? Mas se somos mais, então já não somos os mesmos... nunca mais seremos os mesmos.


Uma fénix a arder...

2 comentários:

Carla disse...

TODOS SOMOS "FENIX", RENASCEMOS SEMPRE. AS CINZAS TÊM NUTRIENTES QUE NOS VAO ALIMENTAR

Ianita disse...

Alimentam-nos e dão-nos forças que nunca pensámos ter... Talvez. Mas não acredito em começos do zero. Porque nunca mais vamos conseguir deixar para trás todo o peso do mundo...