28 de agosto de 2008

Tenho sono!!




Meu corpo cansado;



Os olhos em pequenos derrames.



Confusão da mente.



Parte vigília, parte sonho.



Noite, mulher negra embelezada,



Cabelos estrelados.



Sinto-te no silêncio, rendo-me em teus braços.



Mãe de penumbras e vultos,



És detentora dos meus enlaces.



O descanso, o revigoramento,



Reposição de minhas jornadas.



Sono, fadiga em pilhas fracas,



Meu eu em estado de coma.



Absorve-me, regala-te.



Quero ter lindos sonhos



Quero acordar descansada.




(M Soleni)

8 comentários:

Verónica disse...

Apropriado... ;P Lol

Verónica disse...

"Noite, mulher negra embelezada,
Cabelos estrelados.
Sinto-te no silêncio, rendo-me em teus braços."

Lindo...

Ianita disse...

siimm!

Mas, ontem, foi mais "Noite, madrasta de trabalho escravizado, Cabelos em pé, Sinto-te na fúria, rendo-me ao trabalho." Lol

Verónica disse...

Poesia pura!

Pois, a vida tá difícil...

Ianita disse...

Diz lá que eu até tenho jeito. Tenho uma veia poética muito latente... lol

Mas isto hoje também não dá para muito mais...

fitipaldi disse...

faz me lembrar o remorso póstumo de baudelaire

Ianita disse...

Quando fores dormir, ó bela tenebrosa,
Em teu negro e marmóreo mausoléu, e não
Tiveres por alcova e refúgio senão
Uma cova deserta e uma tumba chuvosa;

Quando a pedra, a oprimir tua carne medrosa
E teus flancos sensuais de lânguida exaustão,
Impedir de querer e arfar teu coração,
E teus pés de correr por trilha aventurosa,

O túmulo, no qual em sonho me abandono
- Porque o túmulo sempre há de entender o poeta -,
nessas noites sem fim em que nos foge o sono,

Dir-te-á: “De que valeu, cortesã indiscreta,
Ao pé dos mortos ignorar o seu lamento?”
- E o verme te roerá como um remorso lento.

Ianita disse...

O outro é mais bonito...