10 de outubro de 2008

Monte dos Vendavais

"Nelly, agora estou a ver que me achas uma bruxa egoísta; mas nunca percebeste que se Heathcliff e eu nos casássemos seríamos um casal de mendigos? Por outro lado, se casar com Linton, posso ajudar Heathcliff a subir na vida e a ficar fora do alcance do meu irmão.
(...)
As minhas grandes desgraças neste Mundo têm sido as desgraças de Heathcliff, e eu vi e senti cada uma delas desde o princípio; a minha grande preocupação na vida é ele. Se tudo o mais perecesse e ele ficasse, eu continuaria a existir; e se tudo o mais ficasse e ele fosse destruído, o meu universo tornar-se-ia um desconhecido onde eu me sentiria como se não fizesse parte dele. O meu amor por Linton é como a folhagem dos bosques; o tempo mudá-lo-á, percebo-o bem, como o Inverno muda as árvores. O meu amor por Heathcliff parece-se com as rochas eternas que ficam debaixo; uma fonte de delícias pouco visíveis, mas indespensáveis. Nelly, eu sou Heathcliff; ele está sempre, sempre na minha cabeça, não como prazer, tanto como eu sou sempre um prazer para mim própria, mas como eu mesma; portanto não fales outra vez na nossa separação, pois é impossível e...."
Ontem acabei de (re)ler o Monte dos Vendavais. Estive indecisa em que excerto publicar aqui. Escolhi este porque aqui Cathy sela o seu futuro. Neste dia, com esta escolha, a sua vida e a sua história estão destinadas à tragédia. Aqui, quando ela escolhe Linton a Heathcliff...
Tinha dito uma altura que acredito em amores avassaladores, que gostava de um dia ter um Heathcliff na minha vida. Ideias de alguém que não lia este livro desde os 15 anos. Voltei a adorar o livro se bem que não pelos mesmos motivos. E hoje sei que não quero um Heathcliff.

10 comentários:

Verónica disse...

Eu teria escolhido um excerto do monólogo do Heathcliff, na altura da morte da Cathy.

Ianita disse...

Também está assinalado, assim como outros... mas este é o início de tudo. Neste momento em que ela tinha a escolha entre o amor e a conveniência. Ela que tinha plena noção de que não amava Linton, mas sim Heathcliff... aqui ela sela o seu destino, o de Linton, de Isabella e de Heathcliff... é ela a verdadeira vilã. :)

Ianita disse...

Ah! porque aquela 1ª parte do discurso dela é ouvido por Heathcliff, à socapa. Quando ela diz que casar com Heathcliff seria algo abaixo da sua condição... ele ouve e foge e só volta rico e com um plano de vingança.......

.....

Brigitte disse...

Bom fim de semana
:)
beijos

Isandes disse...

Nunca li, apesar de o saber um clássico.
Mas realmente, 1 amor desses não se adapta aos dias de hoje... Sempre com um moço na cabeça, ele ser "eu"...
E tempo e disposição para tratar da roupa, arrumar a bicharia, preparar o farnel para o dia seguinte?... lol?

Ianita disse...

Isto era gente com criadagem :)

A Cathy foi muito cruel com todas as pessoas na sua vida. O Heathcliff foi preterido e teve a sua vingança.

Um amor tão intenso e doentio que só podia dar em tragédia. E não, não é só na Literatura. Há muito quem mate e quem morra em nome de um amor que eu não quero que exista, pelo menos não na minha vida. :)Por isso é que eu disse que não quero um Heathcliff, como não quero um Pedro. Não quero um amor que destrói em vez de construir...

Prefiro um Rochester, ou mesmo um Linton. Quero amor, quero paixão, quero loucura, mas só a loucura que for racionalmente minha :)

Kisses :)

u joão disse...

Olá!Nunca li o "Monte dos vendavais" depois da tua descrição, fiquei com enorme vontade de o ler.
Tudo de bom!
Beijo

Ianita disse...

Espero que gostes :)

Cá aguardo os comentários depois da leitura.

Kiss

Anita :) disse...

tantos excertos bonitos e, tristes que se podem retirar desse livro!!!
boa escolha:)

Ianita disse...

É como disse... de todos os excertos de que gostei escolhi este por ser o início do fim. :)

Kiss