14 de novembro de 2008

O corte de cabelo

Um corte de cabelo pode mudar-nos a vida. Quando somos miúdos usamos o cabelo como os nosso pais querem, como dá mais jeito, como eles gostam. Entramos na adolescência e uma das primeiras coisas sobre a qual queremos ganhar controlo é o cabelo. Podemos ter as roupas da moda, e sermos uma fotocópia de todas as raparigas da nossa idade, mas um corte de cabelo errado é um suicídio social. Depois, ganhamos uns anos, ganhamos juízo e queremos impor a nossa diferença. Já não queremos ser fotocópias. Queremos que nos vejam como seres individuais e únicos que somos. E então, mudamos o cabelo. Fazemos um corte de cabelo diferente e, às vezes, até nos tornamos ícones e toda a gente copia o que fazemos. Isto é estar no topo da cadeia. Ser o elo mais forte.
Quando chegamos a adultos, já não andamos em manada, mas pertencemos a algumas: a do trabalho, a da família, a dos amigos. Muitos conservam o corte de cabelo da adolescência. Porque se habituaram, porque é mais confortável, porque acham que é O corte de cabelo. Pessoas que ainda hoje insistem em armar o cabelo, em o encher de nuances e madeixas, embora isso já não se use e, no fim de contas, fiquem muito mal à maioria das pessoas que as usam. Porque mudar é difícil. Porque um mau corte de cabelo acompanha-nos durante meses. É muito difícil conseguir remediar um corte de cabelo que saiu mal. E depois? Deixamos o cabelo em casa e só voltamos a usá-lo quando se porta bem?

Por ser algo de tão fundamental, raramente mudamos algo de significativo no nosso cabelo. Vamos sempre arranjá-lo à mesma pessoa. Aquela pessoa que já nos conhece e, principalmente, já conhece o nosso cabelo e as suas birras. Já sabe para que lado é o risco e ouve sempre um NÃO quando sugere que mudemos o risco, porque até isso é mudar demais. Mas essa pessoa que nos conhece e ao nosso cabelo também muitas vezes tem a mania que sabe melhor do que nós o que queremos. E quando dizemos, Corte só as pontas, elas cortam um palmo de cabelo e ficamos com uma franja que não é franja nem cabelo e que não se arruma atrás das orelhas e que fica sempre a balançar, revirada para fora qual corno, quando atamos o cabelo.

Então, por demasiadas vezes a minha cabeleireira ter ignorado o que lhe pedia e eu ter ficado meses com um cabelo sem jeito nenhum e a ver-me grega para lhe dar jeito (não tenho vocação para ter cabelo que exija high-maintenance), decidi ontem entregar a minha vida nas mãos de outra pessoa. Já não cortava o cabelo desde Fevereiro e como hoje vou ter um jantar... Lá fui, a medo. E lá expliquei à senhora que queria cortar só as pontas e que queria que me esticasse o cabelo (para pelo menos um dia ele estar diferente). A senhora lá andou de roda de mim, a falar das novelas, dos concorrentes do programa da Teresa Guilherme e eu a tremer...

Ora... a verdade é que nunca saí do salão de uma cabeleireira tão satisfeita com o meu cabelo. Ele portou-se bem, deixou-se manusear, deixou-se pentear (coisa que nunca faz comigo)... Concluí que ele gostou das mãos desta senhora e, consequentemente, eu também.

Escusado será dizer que quase não dormi para não estragar o cabelo para hoje vir para o trabalho e impressionar a manada. Vesti roupa nova, inovei um pouco na maquilhagem, calcei os sapatos de limpar cantos de sala, mudei de perfume, mas nada disto importa... Hoje o dia é do meu cabelo! E parece que tenho 15 anos outra vez.

23 comentários:

Verónica disse...

Tás linda, tenho a certeza!
Aproveita o dia e ainda melhor a noite ;)

Kiss

olgacruz disse...

Então, diz lá, quem foi a artista?

E já agora, já punhas aí uma foto pra gente ver...

Bjs,
aproveita bem! (o penteado, claro!)

Ianita disse...

Verónica: A noite vou tentar aproveitá-la com cautela. É um jantar onde vai estar muita gente com quem trabalho, por isso, há que manter a sobriedade! :) E linda não estou, sou! LOL

Olga: A artista foi a mesma que te penteia e à Sara. E sim, fartou-se de comparar o meu cabelo ao teu.

Pode ser que tirem fotos no jantar e depois mostro. :)

O nosso pai é que se saiu com a pérola do costume: "Não ias cortar o cabelo?". LOL

Kisses

Brigitte disse...

Eu sempre quiz e fiz muitas coisas no meu cabelo, desde mudar de cor frequentemente, até ao corte mais radical....até que percebi que tava a chegar aos 30 e ainda tinha o cabelo descolorado e cor de laranja nas pontas.....por uns tempo volltei ao castanho escuro, mas......tou desertinha para mudar...

Bom Fim de Semana
beijos
:)

Ianita disse...

Pois... o nosso cabelo ressente-se do que lhe fazemos.

O meu foi mudando de cor ao longo dos anos, mas naturalmente. Nunca lhe fiz mais que cortar e esticar. Não tenho nem nunca tive coragem para isso. E como a minha mãezinha me obrigou a usá-lo curto durante demasiados anos, desde que tomei controlo das tesouras que por aqui passam que o uso comprido.

Kisses

@me@@@ disse...

É lecas hoje temos um borracho na zona... faz tão bem sentirmo-nos bem!!!

goza o Dia do teu cabelo :-)

Isandes disse...

Eu encaixo no tag "usa o mesmo penteado desde a sua adolescência", embora ja tenha percorrido a paleta quase toda.
Isto dos cabelos é sério; grande parte dos nossos traços identitários pode ser descortinado na nossa juba!
(Já agora, akilo a k xamas de "corno", 1 espécie de arrebito indomado, no Norte tem como nome... "peido"!) xuac

olgacruz disse...

Isso de te queixares da mãezinha...
... é porque não tens noção das birras que fazias para te pentear... (como de resto, em tudo! eras uma birrenta! - eras???)

Bjs,

Ianita disse...

@me@@@ - Ah pois é! Eu hoje vou pra night! E o cabelo está tão giro que ainda ninguém reparou que vim de camisola semi-transparente! :)

Isandes: eu também encaixo na mesma categoria... E eu não estava a brincar. É mesmo sério isto do cabelo.
"Espécie de arrebito indomado" também é um bom nome. Pelo menos define muito bem essa coisa que eu não tenho porque encontrei uma cabeleireira que não insiste em cortar o cabelo demais! :)

Kisses

Ianita disse...

Que parva!!!! Eu?!! Birrenta???!! Que injustiça!!!!

Isso eras tu que tinhas inveja dos meus lindos canudos loiros e que conspiraste para que me fossem cortados! E depois disso, nunca mais o meu cabelo foi amarelo! Essa é que é essa!

Olha que eu continuo a ter 9 anos a menos, mas já se calçar os saltos dourados tenho a tua altura! A chamar-me birrenta... Humpf!

:)

Lita disse...

Excelente post. De facto, o nosso cabelo é uma imensa extensão de nós. E apanhar um mau corte,uma má cabeleireira, é terrível.

As pontas... que para nós são dois dedos, para elas são 7 ou 8...

Diz-se, também,que uma mulher está disposta a mudar a sua vida, quando muda o seu cabelo. E eu concordo...
:)

Ianita disse...

Então, quando troco os caracóis pelo cabelo liso (se bem que já começa a querer enrolar, o sacana!), eu quero mudar de uma vida enrolada, para uma vida direitinha! :)

Mas sim, mudar de cabelo é mudar de vida, sem dúvida. Quase que se muda de personalidade. Eu hoje não sou a mesma. :)

Kisses

u João disse...

Olá! Se já pensava que o cabelo era importante na mulher, depois de ler o teu texto Ana, fiquei com a certeza absoluta. Só falta mesmo a fotg de como ficou :)
Como o cabelo para mim está a tornar-se raridade, já nem preocupo com o corte.
beijo

bono_poetry disse...

deixa la ver isso...nos meus caracois so mexe a minha futura namorada...lol...

Ianita disse...

João: podes sempre aderir à moda de alguns senhores que eu conheço: deixas crescer o cabelo e penteia-lo por cima da parte mais acarecada :)
Para os homens sempre foi mais fácil, se bem que não convém terem um corte tótó, cromo, betinho porque as miúdas não gostam :)
E, não te esqueças do que dizem por aí.... :)

Bono: Ou seja... ou tens cabelo até aos pés, tipo Yeti, ou cortas o teu próprio cabelo... :)

PAULO LONTRO disse...

iani, anda "mouro na costa"... anda, anda ...
Passem um bom fim de semana, tu e eles, os cabelos.
kiss :)

Dawa disse...

eheheh Nunca vi um texto tão grande sobre um corte de cabelo. :P
O meu cabelo é enoooooorme, as pessoas comentam isso e eu GOSTO!
Não gosto nada de o cortar e tenho sempre receio de quando não ouvem que eu falei só em cortar as pontas do cabelo.
Compreendo-te bem!
Beijinhos

Ianita disse...

Paulo: Antes houvesse! :) E sim, eu e os meus cabelos vamo-nos divertir muito. Até porque eu não disse que o jantar é num lugar muito fashion de frente para o mar :) Vou rapar frio, mas vale a pena! :)
Kiss

Dawa: O meu estava já a mais de meio das costas, mas só eu é que sabia! Como ele encaracola, encolhe! Ou seja, ele cresce, cresce, cresce, e parece que tem sempre o mesmo tamanho! Por isso é que hoje, depois de o ter cortado, ele parece ainda maior do que nos outros dias, por estar esticado!

Kisses :)

Mi disse...

Eu adorei esta análise pormenorizada... hmmm... capilar mais direccionada para o campo feminino (ainda que se aplique também a um cada vez maior número de seres humanos do sexo masculino!).
No entanto, confesso-me ligeiramente menos aversa à mudança - vou mais à confiança! Não tenho uma cabeleireira fixa e ando há uns anos a dizer que quero deixar crescer o cabelo, mas a verdade é que me farto de quando em vez e acabo por desbaratinar com altos cortes radicais - uns ficam melhores, outros pior, mas - que geralmente me deixam sempre mais ou menos satisfeita, mais que não seja pela mudança!
De facto, o mais complicado para mim é o ter uma prática desportiva muito regular, o que obriga o corte a ser viável de apanhar (de qualquer maneira, é preciso é imaginação!) - mais uma preocupação, sem dúvida.

Mas enfim, nem sei porque falei de tudo isto, acho que... me apeteceu. (acho?) É que eu ando outra vez com uma vontade dúbia de deixar crescer o cabelo e, ao mesmo tempo, fazer um corte radical... quem sabe, mude a minha vida, não é?

Mi disse...

(ups, desculpa o tamanho!)

Ianita disse...

Mi: Desculpo sim senhora porque eu sou gaja para escrever testamentos iguais ou maiores em blogs alheios. Também escrevo muito, entendo!

Eu confesso que gostei que toda a gente tivesse reparado. Mas... será que o cabelo como estava, não estava bem? Será que voltamos à história do carro? (elogiaram mt o meu carro "novo" que mais não era que o carro do meu pai, ou seja, reparavam em que carro é que ia e etc e tal). As pessoas reparam sempre no que vestimos e calçamos e só falam quando estamos bem. E nos outros dias?

Não sei. Mas que gostei, lá isso...

E tu... olha... faz o que te der na real gana, porque podes!

Kisses :)

Anita :) disse...

ahhh...queria ver uma foto:)))mas, tenho a ceretza que estás divinal:)))
eu tenho horrores de ir à cabeleireira...corta-me sempre mais do que eu peço:)

beijinho

Ianita disse...

Estava divinal... Agora já tenho os caracois outra vez. Mas pronto, pra próxima já sei onde ir! :)

Quanto a fotos... tenho de ver se alguma ficou bem... :)

Kisses