9 de janeiro de 2009

Da Internet

Desde que me iniciei nisto dos blogs que muitas pessoas me avisam... avisam-me que a Internet não é fidedigna porque nunca sabemos quem está do outro lado, se uma pessoa boa se um serial killer. Não sabemos quem nos está a ler. Sabemos que algumas pessoas nos lêem, porque deixam rasto... deixam um comentário.
Mas há mais pessoas. As que lêem e não deixam rasto. Que de vez em quando mandam um sms a dizer que leram, mas não quiseram deixar comentário no blog. E eu sei que costumam ler. Mas haverá outros que nem isso. Nem escrevem no blog, nem escrevem sms, apenas lêem.
A Internet é um Mundo. É a nossa vida em ponto grande. Porque só porque vemos uma pessoa e falamos com ela em vez de "apenas" teclar com ela não quer dizer que conhecemos de facto essa pessoa. Olhar não é ver. Se assim fosse, não teria tido sucesso o serial killer de Santa Comba Dão. Cabo da GNR, pessoa tida como respeitável, honrada, fidedigna. Como se terão sentido os familiares das vítimas quando descrobriram que era ele o assassino? Não era um desconhecido da Internet, mas um vizinho, um amigo. Lembro-me ainda daquele rapaz que matou a namorada com ácido apenas e só porque ela queria terminar com ele.
Não pretendo assustar ninguém. A verdade é que dificilmente conhecemos realmente alguém, às vezes nem nos conhecemos a nós-mesmos. E o Mundo está cheio de pessoas más que estão na Internet, mas que podem estar também ao nosso lado a rir para nós. Mas o Mundo está também cheio de pessoas boas, que estão na nossa vida, mas que podem estar também na Internet a rir para nós.
Cuidados? Sim. Muitos. Cautela, muita cautela. Na vida em geral e não em especial na Internet. O que nos dizem pela Net pode ser mentira? Pois pode. Mas o que me dizem cara-a-cara também pode. E nós confiamos. Porquê? Porque a vida é feita disto. Podemos viver seguros num casulo que construímos para nós, mas e depois? Ficamos lá sozinhos uma vida inteira? E a vida? Passa por nós sem nos dizer nada? Sem nos deixar marcas? Podem ser marcas más? Pois podem. Mas podem também ser marcas boas. Já pensaram nisso?
Não sou destemida. Tenho mesmo mesmo muitos medos. Mas há algumas histórias que guardo na memória para me incentivar quando o coração dói demais. A minha ex-professora de Ginástica que ia a sair do Colombo e levou um encontrão de um rapaz. Ele pediu desculpa e ela mandou-o lixar e perguntou-lhe se era transparente. Ele convidou-a para um café. Estão casados e são pais de uma menina linda! Eu... eu jamais teria ido beber um café com quem me mandou um encontrão na rua... e estou feliz?

16 comentários:

Lita disse...

É verdade!
O mundo surpreende-nos, quer pela positiva, quer pela negativa. Com os amigos, a internet, os mails, seja o que for.
Há que estar atento. Estar inteiro. Ter algum cuidado.
E há que estar atento, também, àquele "instante mágico" do dia, em que um sorriso, uma palavra, escrita ou falada, pode mudar tudo... beijinhos!

Ianita disse...

Isso... Sabes que tive esse excerto do Paulo Coelho, "Na margem do Rio Piedra sentei e chorei", colado na parede do roupeiro durante uns 3 anos? Depois mudei de casa e o papel perdeu-se, mas as palavras continuam-me escritas na alma.

Tento lembrar-me disso todos os dias... e estar atenta para que, quando o meu momento chegar (e vai chegar), eu o veja e o agarre...

Às vezes temos de dar um salto de fé para podermos viver em pleno.

Kisses

Sayuri disse...

Eu tenho algum receio da net, mas essas histórias são, de facto, únicas e muito bonitas :)

*Mascote* disse...

são histórias bonitas mas infelizmente nem todas acabam assim!!!

Bom fim de semana!

Bjinhus*

Ianita disse...

Sim é verdade... e as da vida real, das pessoas que se conhecem por via convencional? Quantas dessas dão certo?

É sempre um salto de fé...

Kisses

Sayuri disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vera Angélico disse...

Bem... lá estou eu a opinar. Já tive grandes discussões acerca dos perigos da net. Por norma é um tema polémico. Eu tenho as minhas ideias. Não me preocupa expor aqui a minha vida, nem das pessoas que me são mais próximas (apesar de nunca dar demasiados detalhes). Considero que o perigo, a acontecer, está ao nosso lado. E não nos procura no meio de páginas e páginas, de milhões de blogs. Está mais que provado que, por norma, o perigo vem das pessoas em quem mais confimos, e que estão mais próximas.

Além disso dependo há muito do mundo virtual. Sou internet-dependente desde que a ligação ainda se fazia por telefone (e ficava a rezar para que realmente se fizesse, tendo em conta que era lá que me encontrava com "amigos"). Tive experiências excelentes, embora considere que não são regra, mas sim excepção. Tive relacionamentos normais, como sabes. A minha filha é fruto de uma relação da net, que não correu exactamente bem. Mas a net não teve culpa... lol! A minha irmã conheceu o marido na net (apesar de viverem na mesma zona), e estão felizes. A pessoa que me preenche os sonhos e os desejos e outras coisas (lol), também é um conhecimento da net. Somos amigos há anos. Tantos anos...

O que acredito é que não podemos generalizar. Porque há histórias felizes em todos os quadrantes. E o que se diga para além disso é aquilo a que chamo um "mito urbano".

O que eu acredito de facto. O nosso momento acontece. Não que nos esteja destinado. Acho que não é obra do destino, porque nós damos sempre uma ajudinha. Mas acontece. E é nosso. E a partir daí, nós sabemos...

Beijinhos e bom fim-de-semana.

TM disse...

Efectivamente a Internet é um mundo... e de tão vasto cabe nele pessoas boas e pessoas más... No fundo cabe-nos a nós usar sejam lá quais forem os nossos sentidos para fazer essa distinção... e depois...

Ianita disse...

"O que acredito é que não podemos generalizar. Porque há histórias felizes em todos os quadrantes."

Isso. Na net ou fora dela. Temos de ter os nossos cuidados e os nossos saltos de fé. E viver...

:)

Beijinhos e bom fim-de-semana!

Anita disse...

Tudo o cuidado é pouco seja na net ou fora dela!!!mas, adorei a estória da tua professora:) so romantic:)

IandU disse...

Tem diferenças, tu na Internet também não sabes quem está do lado de lá até veres frente-a-frente. No entanto, em qualquer lado todo o cuidado é pouco.

Como já disse a alguém se estivermos sempre com esses cuidados nunca iremos sair do mesmo sítio nem dar oportunidade para nos surpreenderem pela positiva.

Ianita disse...

Era isso exactamente que eu queria dizer...

Usei mais palavras, mas era isso mesmo. Nem mais nem menos. Isso.

Beijo

Mi disse...

Muito interessante o modo como expressaste uma ideia que eu a tinha sem saber... Acho que quem não vai gostar é a minha mãe!
Porém, acho que uma das coisas menos boas da internet é que, pelo facto de não estares a olhar para a pessoa enquanto falas com ela, não sabes se é só ela que te está a ler, se o que escreve coincide com o real impacto que as tuas palavras têm sobre ela, se te está a prestar atenção a ti ou a tantas coisas ao mesmo tempo que interfira no seu feedback, se aquilo que acabou por enviar não foi pensado e re-pensado e, deste modo, passou mais a fabricado do que a sincero... e por aí adiante.
Confesso que adoro este meio de comunicação, mas... tem os seus senãos, é verdade!

A minha mãe ficaria orgulhosa de mim, agora!

Beijinho!

Ianita disse...

Concordo contigo, sem dúvida. Aqui temos tempo para pensar, para medir as palavras, para calcular as reacções...

Mas se pensarmos na quantidade de vezes que alguém já nos olhou nos olhos e nos mentiu...

Há de tudo em todo o lado. Não podemos confiar em todas as pessoas que nos olham nos olhos, nem podemos desconfiar de todas as pessoas da net. Há que haver cuidados, precauções, mas também saltos de fé...

Beijos

O Cigarrilha disse...

Excelente post com um belo final Ianita

Acho que no mundo de hoje em dia temos que ter cuidado com as pessoas que conhecemos.....quanto mais com as que não conhecemos!

As pessoas perderam valores, a inveja grassa muito na nossa sociedade hoje em dia...

E há os doentes que como referiste e bem estão ao virar da esquina....

Não sou por natureza desconfiado...

Mas sou adepto de todo o cuidado é pouco...

Bjos e Saúde

Ianita disse...

Sim... nunca sabemos quem está atrás de um olhar, quanto mais de um ecrãn.

Mas não podemos viver no medo... temos de confiar nos nossos instintos e viver. Com cuidado, mas viver...

Kisses