18 de fevereiro de 2009

Do amor


O cardeal D. José Saraiva Martins afirmou terça-feira à noite, na Figueira da Foz, que o casamento entre homossexuais não providencia uma educação normal a crianças a quem falta um pai e uma mãe. Diz ele que «A educação daquelas crianças não pode ser uma formação normal se não forem formadas por um pai e uma mãe. Não por dois pais ou duas mães».
E que tal proibir o divórcio? E já nem falo em proibir pais distanciados, pais que mimam demais e que criam os filhos com valores de intolerância, porque pais que espancam já é proibido. Devia ser proibido permitir que os filhos batam nos colegas e nos professores. Devia ser proibido deixar que os filhos maltratem animais. Devia ser proibido não dar amor.
Já há crianças a serem educadas por dois pais e por duas mães. Nada me impede de ter um filho biológico e de depois ir morar com uma mulher. Quer dizer... impede-me a minha inclinação sexual que não é essa. LOL. O que quero dizer é que é uma hipocrisia enorme pensar que isto não existe. Existe. Há crianças perfeitamente saudáveis psicologicamente que foram mgnificamente educadas por um casal homossexual. Como haverá algumas que não. Como todos os casais, de todas as orientações sexuais, há os que sabem dar amor e há os que não sabem. Esse deveria ser o requisito principal, o requisito do amor e não o da orientação sexual.
Quanto ao casamento... desde que não seja religioso, porque no casamento religioso as pessoas terão de seguir as orientações da igreja e aí a igreja pode casar quem bem entender, acho que o casamento civil devia ser permitido e pronto. Desde que entre adultos conscientes, não vejo nada contra. Basicamente porque ao ser permitido não me obriga a tornar-me homossexual e a casar-me com uma mulher. Não me influencia em nada. Não tenho nada a ver com o que se passa em casa das pessoas, com quem é que dormem ou deixam de dormir e por isso não vejo motivo pelo qual não devem ter os mesmo direitos que eu, uma vez que têm os mesmos deveres! Sinceramente, não vejo onde é que isto possa inflamar tanto as opiniões, como é que tanta gente se levanta contra. Não entendo. Não gostam de homossexuais, pois bem, têm esse direito. Mas não podem impedir que eles exerçam os seus. Digo eu.
O requisito devia ser o amor... é só isso. Amor ao próximo...

16 comentários:

Hélio disse...

Dixit! E muito bem! :)
Beijinho grande!

Ianita disse...

Não sei se não me vão inundar de comentários menos simpáticos, principalmente no que respeita à adopção. Mas isto é o que penso e não estou a ser politicamente correcta. Acho mesmo que com amor tudo se consegue e tudo se supera... a ver o que isto dá...

Beijinhos!! (Algarve?)

Vera Angélico disse...

Ontem ouvi um argumento que achei fantástico. Não dar os mesmos direitos aos homossexuais era como ter dado o direito de voto à mulher, mas que o seu voto só valesse 50%.

Não podemos exigir a cidadãos por inteiro que o sejam apenas pela metade em direitos...

Hoje em dia, infelizmente, maior parte das crianças cresce em famílias ditas disfuncionais. E contra mim falo. Ter só um pai, ou só uma mãe, ou dois pais e duas mães, contando que seja de uma forma equilibrada, tem o mesmo peso, ou o mesmo valor.

Este é (apenas) mais um dos motivos que me afasta da igreja, nas formas em que hoje se nos apresenta. O Deus em que acredito não faz este tipo de distinções. Nem diz às mulheres que tenham cuidado, antes de se casarem com muçulmanos. Nem proíbe o uso de preservativo, deixando proliferar doenças mortais. Nem deixa mulheres continuarem a morrer, por abortos que fizeram clandestinamente, por vergonha...

Este assunto dava pano para mangas. Em tom de piada, a única coisa que tenho contra os homessexuais, é que normalmente são lindos. E deviam estar disponíveis para nós. É uma pena...

Ianita disse...

Tens razão... :) Lindos mesmo!!

A igreja neste sentido é coerente... é contra casamentos homossexuais como é contra o divórcio e o sexo sem casamento. Para eles não existem crianças fora do casamento hetero e pronto. É fácil viver assim, no preto e no branco, sem laivos de cinzento, sem complicações... sem disfuncionalismo... sem falta de amor... sem faltas de paciência... sem falta de nada! Ainda dizem que eu é que vivo num mundo cor-de-rosa!! LOL

O mundo real não é assim. Nem todas as pessoas são boas. Nem todas as pessoas amam para a vida toda, mesmo quando prometem que sim. Nem todas as pessoas são honestas. Nem todas as pessoas estão disponíveis para o amor incondicional... porque o amor a um filho é amor incondicional e para a vida toda. Por isso, cometendo aqui um pecado e estando a correr o risco da excomunhão, viva o divórcio para quem o quer, viva o casamento para quem o quer, e vivam os filhos para quem os quer e não apenas a quem os vê como um azar ou como um apêndice...

Beijos!! :)
(Não me parece nada que a tua Helena seja disfuncional e parabéns a ti por isso, mas sei que terá passado por coisas que deviam ser proibidas... todas as crianças têm o direito a serem amadas e a sentirem-se amadas, tudo o resto é uma crueldade tremenda!!)

olgacruz disse...

pois...
... nem sei bem por onde começar...

A questão essencial, quanto a mim, é mesmo a tolerância!
Não temho de ser homossexual para saber/pensar/sentir que são iguais a mim. De facto, não podem conceber (entre eles)... o que não quer dizer que não sintam amor e o possam transmitir! Eu só tenho de aceitar.

As pessoas são boas e menos boas e há muitos casais hetero que deviam ser PROIBIDOS de ter filhos (e alguns até são porque lhos tiram... a maior parte das vezes tarde demais). Quanto amim o que interessa, como tu disseste, é a pessoa, quais são os seus valores, a sua forma de ser e estar na vida!

Da mesma forma eu vejo a questão do aborto: Uma questão de tolerância. O facto de eu pensar que nunca vou fazer um aborto (quaisquer que sejam as minhas razões) não me dá o direito de opinar sobre as outras mulheres, sobre as suas vidas, sobre o seu corpo... por isso cada uma deve poder fazer a sua opção. O facto de 1 milhão de mulheres fazer um aborto não me obriga a mim ou a ti a faze-lo!

Assim como tantos outros assuntos é tudo uma questão de tolerância e respeito pelo próximo.

Beijinhos,

Ianita disse...

Precisamente!

É em momentos destes que sei que apesar de todos os seus defeitos, apesar de tantas coisas que não correram bem, os nossos pais fizeram um bom trabalho. Precisamente porque crescemos conscientes de que podíamos ser diferentes. E somos.

Beijo grande maninha querida!

Lita disse...

Amor é amor. E as coisas que fazemos a nós próprios e aos outros, em prole de construções sociais e fora de prazo doi-me bastante.
Enfim...

Ianita disse...

A mim também me dói... muito. Dói-me na pele por ter sido já vítima de boatos e de intolerância... e dói-me pelas crianças... e dói-me pelos adultos de segunda que ainda temos no nosso país.

Amor.

Isandes disse...

E quem escreve assim não é disléxico!
Muito bem dito; eu acho k isso é só 1 questão de cama, ponto.

Devaneante disse...

Concordo plenamente. E quanto à questão da adopção, em relação à qual, confesso, cheguei a ter algumas dúvidas, a verdade é que uma criança estará bem melhor numa família (homossexual ou não) que lhe dê amor e educação, do que está nas instituições do estado.

Ianita disse...

Isandes: Uma questão de cama sem dúvida, mas a cama não deve definir portugueses de 1ª ou de 2ª... mesmos deveres, mesmos direitos!!

Ou então, acaba-se o casamento para toda a gente!! :)

Ianita disse...

Devaneante: acho que as crianças estão melhor com um casal gay do que com um casal hetero que não lhes dê amor. Quanto às instituições do estado, existem para proteger as crianças de maus-tratos e abandono, seja de pais hetero ou de pais gay!

Kiss

Sayuri disse...

Eu nem sei porque é que a Igreja se está a meter no assunto quando o que se fala é em casamento CIVIL e não pela IGREJA...

Ianita disse...

Pois... não entendes tu nem ninguém. Penso que o facto de eles estarem a perder influência não deve tar a ajudar ao caso! LOL

Kisses

IandU disse...

Eu só acho que a Igreja cada vez mais é o bobo da corte. E sinceramente ou colocam alguém com outra mentalidade ou continuará sempre assim!

Ianita disse...

O bobo da corte e pior que isso... da última vez que disseram que iam dar indicação de voto, a coisa não lhes saiu nada bem... cada vez mais têm menos influência e ainda bem! Eles é que deviam ver isto e fazer qualquer coisa! Mas parece que gostam... :)

Kisses