27 de fevereiro de 2009

Férias

Ora. Estou de volta a Portugal. Gostei muito destes últimos dias. Gostei do que vi e do que vivi. Gostei pouco do que comi e do que ouvi, mas gostei mesmo muito do que vi e, principalmente, gostei do regresso.

A primeira paragem foi Sevilha. Um retorno. Mas é engraçado como as cidades mudam. Sevilha mudou desde a última vez que lá estive. Ou terei mudado eu? Continuo a adorar subir a giralda e ver a cidade aos meus pés. O menos bom de Sevilha é mesmo ser uma cidade plana cheia de edifícios altos... temos a catedral (que é a terceira maior do Mundo) como referência, mas numa cidade destas características isso de pouco vale e a modos que andámos meio perdidas. :) Entrámos num restaurante que não tinha menus e o senhor que servia à mesa achava que nós perceberíamos melhor o que ele nos dizia se nos berrasse aos ouvidos. Saímos sem comer nada e procurámos outro lugar, mais simpático. Encontrámos. Comemos bem, mas a comida condimentada andou às voltas nos nossos estômagos todo o dia.

Seguimos viagem para Mérida. Ainda deu para passear pela cidade. Templo de Diana, Foro, Alcazaba, ponte romana. Uma bebida na praça central. Um jantar mais ou menos. Tudo demasiado frito. Tudo demasiado gorduroso. Tudo com pouca simpatia. Ainda tempo de um sundae no MacDonalds local, onde descobrimos o fantástico MacPollo... e o MacAuto. Loucura! O hotel era porreiro. Por fora não fazia adivinhar como era por dentro. Mesmo muito porreiro. O pior foi mesmo o aquecimento que era central e que não podíamos controlar do quarto. Parecia que estávamos em clima tropical. Não me lembro de passar tão mal uma noite por causa do calor.
De manhã, pequeno-almoço em Mérida, num sítio mais ou menos, onde nos serviram meia torrada quando tínhamos pedido uma inteira. Mas o que viria a seguir... O teatro e anfiteatro de Mérida são do melhor que já pude ver na minha vida. Vale bem o dinheiro que se paga à entrada. Fantástico estado de conservação para edifícios com mais de dois mil anos. Belíssimos! Imaginar o que era viver naquele tempo... passear ali onde Augusto terá passeado um dia... na sua Emerita, capital da Ibéria. O que eu quero é assistir a uma peça naquele teatro. Há-de ser uma experiência belíssima. Uma tragédia. Sim, tem de ser uma tragédia. Uma Medeia. Sim... Já imagino a noite... a luz de archotes.... uma actriz a dominar o palco... Medeia. Um dia...

O caminho de volta a Portugal adivinhou-se moroso e difícil. O menino GPS não quis ajudar e queria que o pessoal andasse em estradas secundárias. A autostrada não tem qualquer indicação para Portugal. Bem... tem uma. Além disso, as estações de serviço ficam quilómetros fora da autoestrada, coisa que nem sempre está assinalada. Demorámos muitíssimo a chegar à fronteira, mas chegámos... gostei muito do passeio espanhol, mas acho que Espanha está demasiado cheia de espanhóis... falam muito alto e são pouco educados... além disso, não só não há nada em português em lado nenhum, como na maioria dos sítios nem em inglês. É espanhol e pronto. Uma treta. Neste espírito, ainda estivemos quase a desviar para Olivença e declará-la outra vez nossa, mas... fica para a próxima!
Almoçámos já em Portugal. Numa aldeola de beira de estrada, logo a seguir à fronteira de Rosal de la Frontera. Um sítio pequeno, com aspecto duvidoso por fora, mas com uma linda decoração interior. Com poucos pratos, mas todos regionais e tradicionais. Além disso, o menu estava em Português, Espanhol e Inglês. Ora tomem espanhóis e aprendam como é que é! Adorei o restaurante, adorei as migas, adorei a lista de sobremesas... que bom ter outras vez uma lista daquelas em que nos apetece mandar vir tudo: doce da avó, arroz doce, mousse de chocolate, baba de camelo.... depois de dias sem ouvir nada de jeito... finalmente, música para os nossos ouvidos!!! (aliás, em Sevilha quiseram-nos impingir toucinho do céu como algo de tradicional de lá!!).
Mértola. Vila-Muséu. Ocupação romana, cristã e árabe. Pena que seja um município pobre, sem condições de fazer o que os espanhóis fizeram em Mérida. Uma paisagem belíssima. Uma cidade adorável. De 21 a 24 de Maio, irá decorrer o festival islâmico. Algo a não perder! Além disso, passámos em Mina de S. Domingos e ficámos mesmo surpreendidas pela beleza de um local que nem aparece no mapa. Uma albufeira enorme e belíssima... breath taking!

Depois... o regresso a Tavira... e o descanso das guerreiras!

22 comentários:

Maçã com Canela disse...

Opá... eu é que estava a precisar de uma fériazitas assim... fora daqui... :) belos sitios! Não conheço, mesmo sendo aqui tão perto!

Um beijinho

Ianita disse...

Pois... eu também não conhecia. Algum dia teria de ser o dia! Foi agora! :)

Kisses

Sayuri disse...

Eu adoro Espanha e os espanhóis! Amo Sevilha (e Barcelona)...mas gastronomia...não há nenhuma que chegue aos calcanhares da nossa! :)

lilipat2008 disse...

Belas férias...e belas fotos, deve ter sido mesmo giro...;)

bjitos

Ianita disse...

Sayuri: tivemos talvez azar. Porque apanhamos mesmo mesmo mesmo muitos espanhóis mal educados e parvos. E foi um muito feliz regresso :)

Kisses

Ianita disse...

Lilipat: Aqui só estão as fotos que passaram a censura. Tirámos quase duzentas!! :)

Foi mesmo muito giro!

Kisses

Lita disse...

Que bom! Tenho saudades de Sevilha. Passei lá uns dias fabulosos, há uns anos.
Bem vinda!

Ianita disse...

Ainda não regressei de vez... estou numa de relax em terras algarvias... só amanhã é que é o dia do malfadado regresso...

Foi lindo!!

Kisses

Verónica disse...

O passeio por Espanha foi muito bom, mas soube mesmo bem regressar a Portugal. Aquele restaurante em Vila Verde de Ficalho foi como um oásis no deserto... bom, bastante e barato. Vínhamos com fome e sedentas do bom tempero português.

Sevilha é Sevilha, Mérida é linda e Mértola mais linda é, apesar de mais mal cuidada.

Bjs

Neni disse...

Sortuda! Quem me dera umas férias:(
Beijos grande

Manitas Del Plata disse...

oi vi o teu coment no blog da me e vi ponte de lima, hehehehe :) a minha terra ;) bjokas

Ianita disse...

Verónica: Pena nem nos lembrarmos da treta do nome do restaurante!

Mértola é um lugar a regressar... Mérida... era uma peça naquele teatro numa noite destas... Sevilha... qualquer dia... a companhia... sempre!

Kisses

Ianita disse...

Neni: Qualquer dia estás tu de férias e eu enfornada no escritório sem poder sair...

Kiss :)

Ianita disse...

Manitas: Estive lá nas Feiras Novas no ano passado e adorei. Tive a sorte de ter um grande cicerone, um amigo que vive em Esposende. Toda essa zona é espectacular. A repetir! :)

Kisses

Manitas Del Plata disse...

Pois, logo nessa altura das Feiras Novas é bombastico nessa altura, agora podes dizer que "conheces" alguem de gema de Pt Lima. E Setembro ja sabes ;)

Ianita disse...

Manitas: pois... para além do queijo, não conhecia ninguém de lá. :)

Em Setembro lá estarei!

Kisses

Devaneante disse...

Que belas férias as tuas!... e que inveja grande a minha!... ;-)

Dylan disse...

Mérida é de facto um mundo antigo à parte. As pedras respiram história.

Quanto às minas de São Domingos, possuem uma praia fluvial de excelência. A ser tratada brevemente no meu blog quando o Verão estiver a chegar.

Ianita disse...

Devaneante: Agarra em ti e vai! É a melhor forma de curar a inveja! :)

Kisses

Ianita disse...

Dylan: Hei-de lá voltar.... tanto a Mérida como a Minas de S. Domingos... para o hotel 5 estrelas! Um dia... :)

Kisses

Isandes disse...

Grande passeata! O festival islâmico é o máximo! E já fost ao pulo do lobo, lá perto? lindo!

Ianita disse...

Não fui ao pulo do lobo porque a Verónica já tinha ido e já não tínhamos muito tempo... para a próxima :)

Kisses