13 de maio de 2009

O fim das férias

Cheguei. Estou em casa. Na minha cama. Com a minha almofada. Com a minha ursa azul. Num ambiente que é meu e onde me reconheço. Estou cansada e ainda assim não pude não vir escrever. Não porque seja blogodependente, mas porque tenho medo que as sensações me escapem com a noite, com o sono.

Foi um dia de poucas palavras. Foi um dia de voltar às Sete Cidades. Um dia de tentar ver mais, indo aos mesmos lugares. Um prestar homenagem aos centenários lugares... uma despedida sentida e demorada. As Sete Cidades tinham menos nevoeiro, mas estavam envoltas na nostalgia da despedida. Assim como o mesmo farol... assim como as mesmas praias... a viagem fez-se em quase silêncio até ao hotel.

Carregámos as malas até ao carro... um último olhar ao Lince Açores que tão bem nos recebeu. Fomos tentar descobrir o shopping da cidade para almoçarmos e comprarmos as lembranças para as nossas pessoas. O shopping é bonito, mas tudo soube a aperto no peito. Comi em silêncio. Perdemo-nos a tentar chegar ao aeroporto, ainda para mais íamos muito atrasadas... mas a despedida tinha de ser assim...

Entregar o carro de aluguer. Check in. Tínhamos meia hora ainda. Loja de lembranças. Compotas de ananás... não podíamos comprar porque os frascos tinham mais de 100ml... comprámos uns boiões mais pequenos, conjuntos de 3, com 3 tipos de compota diferentes. Comprei quatro embalagens e a Vera 3. Fomos passar no controlo de passageiros e os boiões de compota não podiam passar... porque eu levava 4 saquinhos, com 3 boiões em cada, e a Vera 3. E cada pessoa só pode levar 1. O senhor era antipático, mas ainda assim nos disse que havia uma loja que vendia uns sacos maiores do que os que tínhamos (não podem ser sacos normais, têm de ser daqueles fechados hermeticamente). Conseguimos pôr os boiões todos dentro de um saco e lá passámos... passámos para descobrir que na zona de embarque havia uma loja que vendia aquelas coisas, e sem limite de sacos e saquinhos e quantidades e afins. Tudo muito lógico.

Eu estava calma. A reviver na minha cabeça cada momento, cada riso, cada imagem... mas o avião atrasou quase uma hora e eu comecei a descontrolar-me. Para piorar... ficámos sentadas no fundo do avião, ao lado de uma incubadora que transportava um bebé para um Hospital em Lisboa...

Foi quando caí em mim. Caí em mim e percebi que sou parva e estúpida... percebi que ando a fazer birras parvas... percebi que fiquei desiludida porque estava nevoeiro nas Sete Cidades... percebi que sou uma mimada parva. Ali... a olhar para aquela criança recém nascida toda ligada a ventiladores e tubos... com duas médicas a acompanharem-na a Lisboa... ali a ver aqueles pais... miúdos... mais novos que eu qualquer um dos dois... ali a ver as olheiras fundas daquela mãe... ali percebi que sou privilegiada... ali percebi que sou uma mimada parva. Com tantas coisas más a acontecerem a pessoas boas, com tanta tragédia humana... com tantas coisas... eu fui de férias para um lugar paradisíaco. As férias foram fantásticas e nenhum nevoeiro as poderia estragar. Só o nevoeiro da minha mente retorcida e quase desprovida de sentimentos. Senti-me mal. Senti-me egoísta.

Tive de tomar outro comprimido mal o avião descolou. E foi com as lembranças dos lugares fantásticos que visitei e com o som do ventilador daquela criança, que passei duas horas de vôo... com alguma turbulência. Mas cheguei. Cheguei para discutir com os meus pais dois minutos depois de ter chegado. Cheguei para falar ao telefone com uma amiga e não lhe ter dado o apoio que ela precisava. Cheguei para ser eu outra vez... mas eu não me quero esquecer do que senti naquele vôo. Pode ser que enquanto me lembre, eu consiga ser um bocadinho melhor.

Amanhã regresso ao trabalho. Obrigada pelo apoio. Pelos amuletos da sorte, pelas mensagens de incentivo, pelos serviços secretos que foram mandados para nos protegerem. Obrigada. Espero poder um dia retribuir em triplo. Ficam as últimas imagens. S. Miguel no seu melhor.







14 comentários:

Luisa Moreira disse...

Cansadita, heim!!! Dorme bem, volto a escrever.
Bom regresso.....
Bjtos

Sayuri disse...

Todos somos assim algumas vezes na vida, precisamos de ter um bebe ventilado ao nosso lado para podermos agradecer o muito que temos. Porque nada é garantido...
Ainda bem que gostaste da tua viagem. Eu, de S. Miguel conheço o Hotel Holiday Inn, onde fiquei quando estive a formar equipas de algumas lojas que abriram no shopping. Gostava de la ir com olhos de turista. Um dia...

Dylan disse...

Mesmo com o nevoeiro conseguiste grandes fotografias de uma beleza de um local que eu considero o superlativo de Portugal: os Açores.

Raquel disse...

Pois é, "gracias" pelas magnificas fotos que conseguiste, mesmo com tanto nevoeiro!!!
Grandes férias... pelo menos parece :)

Vera Angélico disse...

Qualquer descrição que faça desta viagem, vai parecer sempre pouco, perante aquilo que disseste ao longo do tempo.

Mas vamos ao lado pessoal... não sei se te agradeci suficientemente nestes dias. Por tudo. Pelo entusiasmo que demostraste desde sempre. Pelo benefício da dúvida que me deste (Sofia, eu não lhe bati... juro). Pela companhia, que é de facto fantástica. Pelos desafios, pelas opiniões, pela sensatez e dose de sentimento que pões em tudo o que fazes. Sobretudo, por me sentir tão bem contigo. Por sentir que nos entendemos e chegamos a acordo facilmente no que toca ao que fazer, onde ir, o que explorar. Por isso não me espanta. Que de facto haja quem te sinta como uma princesa. E assim te veja... para além de ser até uma visão redutora, porque és mais! ;)

Da viagem em si. Para mim foi inesquecível. Desculpa se não te consegui passar calma nos voos. A viagem para Ponta Delgada foi feita em stress. Ontem estava super calma. Assim que entrei no avião, e vi o bebé, desabei! E senti o mesmo que tu. Ou que sou mesquinha, e demasiado centrada em mim. Porque me marcou aquele barulho das máquinas. E o olhar perdido e vazio dos pais. Chega a dar remorsos, por estarmos de férias. Mais remorsos a mim... tão focada num problema tão menor que aquele...

Em relação a S. Miguel. Fiquei deslumbrada. Cada descoberta foi única. Cada momento foi inesquecível. E foi excelente viver a ilha contigo...

Por isso mal posso esperar pela próxima aventura. Que espero que seja tão breve quanto possível (Barcelona que nos aguarde...)!

No resto de tudo. Obrigada pelo apoio, e pelas palavras certas nos momentos certos. Estou a fazer o que me disseste, e estou bem. ;)

Beijos.

ianita disse...

Luísa: bastante cansada sim... mas valeu a pena :) Obrigada!

Sayuri: eu fiquei no Lince Açores e gostei muito. Fomos lá muito bem tratadas. Como em todos os Açores... no fim já me perguntavam direcções como se eu tivesse cara de açoriana! LOL e sim, é isso... é o que se chama "get perspective". Foi um murro que eu estava a precisar levar...

Dylan: a minha máquina não é das melhores, mas acho que nos safámos bem. Superlativo mesmo! :)

Raquel: grandes férias mesmo! :) Recomendo!

ianita disse...

Vera: eu li o que me escreveste logo... mas não consegui vir responder. Deixaste-me de lágrimas nos olhos e voz embargada.

Eu relatei o que vi e senti. Tu é que falas em voz de poesia (porque eu bem li o post no teu blog e aquilo é outro patamar!).

Não te dei o benefício da dúvida. Se as tivesse, não teria ido. Já te tinha dito.

E dizes essas coisas bonitas porque me aturaste pouco tempo ;)

Sim, foi muito bom. Sim, foi incrível. Sim, a companhia foi excelente. Sim, apesar de tudo, correu tudo muito bem mesmo. E o apesar de tudo não teve nada a ver contigo. O apesar de tudo foi o tempo. O apesar de tudo foi o avião. O apesar de tudo foi aquele regresso, naquelas condições.

E foi muito bom teres tido sempre vontade de me aturar. Foi muito bom saber-te com um sentido de humor fantástico. Foi muito bom saber-te mais uma das minhas pessoas.

E foi muito bom ter motorista :)

Fico feliz que tenhas encontrado algum sentido na quantidade absurda de asneiras que eu digo. E não te esqueças que temos uma visita para fazer :)

Beijos e obrigada!

Rice Man disse...

Muito bem vinda!! :)

O farol fica fantástico com aquele azul do mar todo à sua frente! E a entrada para o hotel deixa-nos com a sensação de irmos a caminho de algo especial. :)
Gostei muito das outras fotos da Lagoa das Sete Cidades mas gostei ainda mais destas! Especialmente nas duas primeiras, o nevoeiro parece confundir-se com nuvens e parece que a lagoa fica no tecto do mundo! :)
E na última foto!?... Liiiindas!! :)

Tu não és parva nem estúpida! Mimada deves ser... mas só porque deve ser impossível resistir a essa vontade (de mimar-te)! ;) Mas definitivamente não és parva nem estúpida! As férias servem para escaparmos um bocadinho à realidade, para durante uns dias esquecermos os nossos problemas e recarregarmos baterias... e é naturalíssimo ficarmos chateados quando as coisas não correm como planeámos. Mas o importante é ultrapassar isso o mais rapidamente possível (logo ali na hora) tomando consciência que as coisas são como são, não as podemos mudar, e tentar tirar proveito possível da situação. ;)
E a Ianita que discutiu com os pais dois minutos depois de ter chegado e que ACHA que não deu o apoio necessário a uma amiga ao telefone não era a Ianita normal, era a Ianita cansada de uma viagem, tanto física como psicologicamente. Tenho a certeza que eles sabem disso. ;)

Espero que tenhas um excelente regresso ao trabalho! Vais ver que não custa nada! ;)***

ianita disse...

Mr. Rice: aquilo é uma Igreja :) na vila de Sete Cidades.

O tempo esteve melhor ontem, logo, as fotos saíram melhor.

A Ianita que discute e afins é mais normal que se possa pensar. E é isso que tem de ser mudado... porque acho mesmo que as pessoas não sabem...

O regresso ao trabalho está a ser difícil, mas... nada que não se supere.

Obrigada.

lilipat2008 disse...

Não tens de te sentir mal por isso...faz parte da essência (parva se quiseres chamar) do ser humano. Querer sempre mais do que aquilo que tem e raramente se lembrar que aquilo que tem pode ser muito para outras pessoas que estão bem piores. Faz parte de quem somos, e tu, por conseguires perceber isso e te chamares mimada parva (apesar de não ser verdade) és, com certeza, um ser humano especial. :D

E qt a essa tua amiga, dá-lhe hoje o apoio que não deste ontem...antes tarde que nunca...:)

bjitos e bem-vinda ao teu mundo

izzie disse...

Crianças ventiladas... I know the feeling. :)
O que interessa - birras e mimos, que acho que tens o direito de ter... à parte - é que regressaste de baterias carregadas, energia renovada e sorriso mais presente.

Beijo grande,

ianita disse...

Lilipat: é um bocado parvo isso, não é? Isso de olharmos sempre para o nosso umbigo... estou triste comigo. E obrigada!

Izzie: Não foram duas horas fáceis. A criança teve de ser assistida algumas vezes durante a viagem... além disso, o ventilador ainda deu em ficar sem bateria... não foram duas horas fáceis... imagino como estará a ser para os pais... a energia foi-se, as baterias descarregaram-se, e o sorriso foi dar uma volta. Kisses

O Cigarrilha disse...

mas que lindas fotos......

todas elas:)

abreijos

ianita disse...

Cigarrilha: tivesse o tempo ajudado e.... :)

Obrigada.

Kiss