12 de agosto de 2009

Do outro lado



Às vezes gostava... de ser mais loura, mais parva, mais burrinha, mais crédula, mais tótó, mais... viver no mundo da fantasia e ser imensamente feliz. Viver no mundo do faz-de-conta.


Mas... será que as dificuldades não servem precisamente para percebermos o que é realmente bom para nós? Nem tudo o que é bom será necessariamente difícil... mas as pessoas são assim. O mais caro é melhor. O mais difícil também.

Já eu cada vez mais acho que a vida não tem de ser assim tão difícil. Podemos ir viajando para a terra do faz-de-conta. Fechar os olhos, encerrar alma e ouvidos e sorrir um pouco.

Só isso. Fechar o mundo real para balanço e mudarmo-nos de armas e bagagens para o lado de lá. A Terra do Nunca. Atrás do coelhinho. Para um Mundo encantado... o mundo dos sonhos.

Conseguiríamos voltar?

Sempre fui sonhadora. Fui adolescente parva, daquelas que suspiram pelos cantos e se apaixonam à primeira vista. Daquelas de ler livros românticos às escondidas... de ouvir a mesma música vezes sem conta.

Depois acordei. Vi que a vida é um sonho fantástico, se arriscarmos vivê-la. Se arriscarmos sair do Mundo dos Sonhos... porque isto dos sonhos é bonito, mas corremos o risco de dream our lifes away. E se percebermos que nos esquecemos de viver, o que podemos fazer?

9 comentários:

Vera Angélico disse...

Eu sou suspeita... não abdico dos sonhos. Hoje dei por mim sentada numa esplanada a dizer que era tão feliz, se determinado sonho se concretizasse. E sei que não passa disso mesmo...

Podes perguntar-me se vale a pena andar iludida. Sim, porque é iludida que ando. Mas quem sabe, se pedir com muita força. Se pensar com muita força. Se quiser com muita força... quem sabe!

Acho que já te disse isto. Às vezes devias dar-te a oportunidade de sonhar mais. De ultrapassar os limites, aquando de uma determinada realidade. Pode, à partida, parecer "insane", mas para além dos teus "saltos de fé". Sem querer, e sem fazer por isso... we will never know!

Lita disse...

Isso dava pano para mangas. Viver é tão essencial como sonhar. Eu escrevo porque sonho. Vivo porque sonho. Verdade também que sonho porque vivo... pois, como te disse, pano para mangas... ;)

ianita disse...

Vera: eu sonho... demais até. Viesse o euromilhões hoje e eu saberia exactamente o que fazer com cada cêntimo...

Digamos que os meus sonhos são hoje diferentes e, talvez, um pouco iguais. De tanto querer viver intensamente, vejo que me escapam as coisas pelas mãos... vejo que não dou os saltos de fé que deveria... que não vivo tanto como queria. E sei que só eu me posso salvar. Mas também sei que não tenho a culpa das cicatrizes que carrego... tal fénix. Talvez um dia...

Beijos!
(e espero que o teu sonho seja como os que o Gedeão enumera na Pedra Filosofal... na altura tão inalcansáveis, e hoje tão verdade)

ianita disse...

Lita: sim... e ao escrever fui ficando confusa... não era isto que eu queria escrever... não foi isto que comecei a escrever... mas foi aqui que o pensamento me levou. A verdade é que as minhas lentes não são tão cor-de-rosa como apregoo. A verdade é que...

Sim. Vida sem sonho não faz sentido. Sonho sem vida não faz sentido. Temos de aprender a viver nos dois mundos talvez...

Talvez.

Beijos

Mag disse...

Um pé em cada lado? Um bem enterrado na terra dos sonhos, o outro pousado docemente na realidade.
Sonha, sim, e muito. E escreve, há sempre quem te leia e se veja reflectido.
Beijoca

lilipat2008 disse...

Estou aqui como a Mag...um pé em cada lado...porque sem viver não podemos sonhar e sem sonhos pelos quais lutar não tens razões para viver...:)

bjitos

Rice Man disse...

Isto faz-me lembrar o filme "The Matrix"... Tomaríamos o comprimido vermelho ou o azul? É uma questão complexa, sem dúvida... e acho que a resposta acaba sempre por ir parar um meio-termo (um comprimido roxo? :P ), talvez por as duas coisas, realidade e sonho, estarem intrinsecamente ligadas uma à outra. "O sonho comanda a vida" mas para se sonhar é preciso estar vivo primeiro. :)

ianita disse...

Mag: escrevo para mim... porque penso melhor enquanto falo... e eu escrevo como se conversasse comigo mesma.

Tenho medo que os sonhos me toldem a vista e me impeçam de viver uma realidade que poderá ser até melhor que os sonhos... não sei...

Beijos

ianita disse...

Lilipat: aurea mediocritas... talvez. Talvez... :)

Rice Man: diz o poeta que o sonho é uma constante da vida... mas há quem viva sem sonhar. Mas talvez isso não seja verdadeiramente viver... não sei...