16 de junho de 2010

Do animal...

Saí do trabalho para ir a Alcobaça. Combinei com um dos explicandos de vermos o exame (que foi hoje) e para tentarmos perceber se ele se ia safar ou não. O exame não era nada de especial e penso que ele consegue uma nota jeitosinha.

Venho para casa. Passo a casa da minha irmã a deixar uns dicionários para a Sara. E eis que o meu animal (vulgo, carro) empanca. Assim. Do nada. Custava a andar e fazia um barulho estranho. Entretanto estava a estorvar o trânsito e lá consegui, a custo, fazer o carro ir avançando até à berma mais próxima.

A minha irmã chama o meu cunhado que ainda esteve de volta do carro uma horita, até percebermos que tínhamos mesmo que chamar a Assistência em Viagem. Basicamente, e em linguagem muito leiga porque se há coisa de que não percebo é de carros, a roda esquerda traseira trancou. Os calços ou o raio que o parta deslocaram-se ou colaram-se ou whatever e a roda não mexia. Nem para a frente nem para trás.

Ligo ao meu pai para me dar o contacto do mecânico. Ligo ao mecânico a perguntar se tem disponibilidade para me arranjar o carro. Ligo à AA. Entretanto eles ligam para mim.

Foi uma conversa interessante. Depois de ter explicado o que se tinha passado, ela pergunta onde está o carro. E eu respondo "Pocariça". Ela diz outro nome qualquer e eu repito. Ela pergunta "de Cantanhede?". E eu disse "tá a ver a morada do seguro? É na rua de trás!". lol.

E para onde vai o carro? Para uma oficina a 2km daqui! lol

E precisa de transporte ou vai com o reboque? Vou mesmo a pé. Moro na rua abaixo. lol

Tudo tratado. Menos de 20 minutos depois estava lá o reboque (claro que esperei sentadinha no sofá da sister). Entretanto também já tinha chegado o meu pai que tinha ido, basicamente, olhar para o carro. Como se o olhar fixo dele o pudesse curar.

E até estava calma. São coisas que acontecem. Foi uma situação caricata por ter sido tão perto de casa, mas pronto. Nada demais.

E eis que o meu pai começa a dar o ar de sua graça. Quando lhe liguei não me disse nada. Perguntou o que o carro tinha e deu-me o contacto do mecânico. Tratei de tudo sozinha. E agora, tudo o que fiz está mal feito.

Que o carro não devia ter ido para aquele mecânico. Que não lhe devia ter pedido orçamento. Que isto. Que aquilo. Que aqueloutro. E isto sim enerva-me. Muito.

A partir do momento em que lhe liguei e ele não se lembrou destas recomendações todas, de que adianta estar agora a mandar bitaites? Tivesse dito logo! Estou mesmo irritada. Por causa dele. E também um bocadinho pelo orçamento de 100 a 150euros :(

Mas pronto. Que este seja o pior que me aconteça e já me dou por contente. É muito dinheiro, mas tenho-o. E é "só" dinheiro. Estou bem de saúde (quer dizer, com os problemas de sempre, mas "tratáveis") e os meus também. Tenho trabalho. Pagam-me a horas. Tenho os meus comigo. O resto tudo se resolve.

2 comentários:

Luisa disse...

Não há, como ser optimista! ;-)

ianita disse...

Luísa: precisamente :)