5 de agosto de 2010

À primeira vista

Era uma festa de aldeia. Eu estava lá. Ele estava lá. Foi a minha amiga quem o viu primeiro. Já o conhecia de outros tempos. Eu nunca o tinha visto. Ela apontou para ele. Eu olhei. E foi só isto. O coração começou a bater mais forte.

Fomos falar-lhe. Eu, a amiga e outra amiga. Na altura, eu era muito insegura. Não pensava que alguém pudesse simplesmente gostar de mim. Achava sempre que as outras raparigas eram mais e melhor do que eu.

Passámos a tarde juntos. E a noite. "Vamos beber café?". E a Ianita insegura como era, bora ir tomar café, só porque toda a gente vai, e nem de me lembrar que não bebo café e que podia não me fazer bem... não dormi a noite toda. Gostava de dizer que não dormi por amor, mas não dormi por causa do café.

Fui eu quem lhe ligou. Lembro-me desse dia com mais clareza do que me lembro do que comi ontem ao jantar. O meu coração batia tão alto que até se ouvia... de lembrar que não havia telemóveis nem msn nem facebook e afins... havia telefone fixo, agarrado à parede da sala e tive de esperar os meus pais saírem da sala para lhe ligar... uma amiga tinha-me pedido que lhe ligasse... para pedir o número de outro amigo com quem ela se tinha envolvido na festarola. Liguei. Ele achou que o número era para mim. Que eu é que estava interessada no amigo. Esquemas adolescentes dão nisto.

Não sei bem o que se passou depois. Lembro-me que era Sábado à tarde. Estava a lavar a carpete do meu quarto e estava a ouvir uma K7 dos Live. A minha mãe vem chamar-me para atender o telefone. Era ele. Convidou-me para sair.

O primeiro encontro foi na Maceira. No jardim. Ao pé da piscina. Cheguei muito atrasada. Fiquei a tomar conta da Sara enquanto a minha mãe foi a Leiria. E a minha mãe atrasou-se. E não havia cá sms nem telemóveis para avisar que se estava atrasado. Sofria-se com a demora. E rezava-se que a pessoa ainda estivesse à nossa espera quando chegássemos.

Estava. :)

Foi a única vez que me apaixonei à primeira vista. Acho que foi a única vez que me senti assim. Acho que sempre que nos apaixonamos o sentimento é diferente. Por isso é que não dá para comparar... não dá para dizer gostei mais deste ou daquele... gosta-se sempre de maneira diferente. Porque o tempo muda-nos e o tempo é sempre diferente e a outra pessoa também. Filosofias à parte, foi amor à primeira vista. Com peripécias pelo meio estivemos juntos cerca de 2 anos. E recordo esses tempos sem saudades nem nostalgia. Simplesmente com um sorriso nos lábios. Feliz por ter uma história assim bonita no meu passado.

Foi há 15 anos.

4 comentários:

Vera Angélico disse...

Sim, já conheço a história. Mas deixou-me a suspirar na mesma!!!

Beijos.

:)

coisasdacleo disse...

Que linda história =)

bono_poetry disse...

Nice ,gostei,e bom amarmos assim!!eu tb ja tive assim apaixonado,foram seis anos maravilhosos,guardo e tenho saudades,terei sempre!!E acredita que ao fim de tantas aventuras e namoricos,amores e paixoes,nada se aproxima,nao ha que comparar,mas enfim...

Dylan disse...

Bonito, sim senhor...