16 de setembro de 2010

Divagações em cinzento

Está um dia cinzento. Da janela vejo a serra. Nem sempre reparo nela. Mas hoje não consigo deixar de a olhar. Como se me tivesse lançado um qualquer feitiço. É isso. Sinto-me enfeitiçada.

A neblina não me deixa ver as ventoinhas. Chove. Fico sempre assim esquisita em dias como este. Fui às compras e só comprei coisas cinzentas. Gosto de cinzento. Sempre gostei. Mas nos últimos anos não tenho comprado nada dessa cor, porque basicamente não acho que encaixe comigo. Passei a adolescência entre pretos e cinzentos e azuis e os castanhos. Já bem entrada nos vintes descubro a cor. Gosto de cores vibrantes. De cores fortes. Sendo branquinha acho que me favorecem. Nunca deixei o preto nem os castanhos (que, sendo loura, sempre ficaram bem). Mas o cinzento saiu da minha vida. Não foi acto pensado. Aconteceu.

Hoje vesti coisas cinzentas e gostei de ver. Comprei. É como se o cinzento do dia me tivesse invadido. Invadiu o espírito e invadiu o guarda-roupa.

A serra tem tão pouca vegetação que, num dia como o de hoje, parece ela também cinzenta. Não se vislumbra verde. Às vezes parece uma miragem. Ali escondida na bruma.
Queria sair daqui e ir à praia. Tirar as sandálias e enterrar os pés na areia. Ver o mar que estará, também ele, cinzento. Respirar o ar marítimo sempre me fez bem à alma.

Sinto-me rodeada de sombras, embora não haja luz solar suficiente para elas. Sinto-me rodeada de más energias. De nuvens negras. E não as quero. Afasto-as. Não deixo que me contaminem. Posso não ter o controlo do que acontece, mas ainda tenho a capacidade de fazer algumas escolhas.

As únicas nuvens negras que quero na minha vida são as que povoam os céus agora mesmo. As sombras que quero são as provocadas pela luz solar. Quero lágrimas de alegria. É esta a minha escolha. Escolho ser feliz. Retomar sonhos antigos. Construir novos sonhos. Passo a passo. Sem pressas nem atropelos. Com a cabeça bem assente entre os ombros. Sem óculos cor-de-rosa. De coração aberto à vida. Às pessoas. A mim.

Quero sentir a magia. Os feitiços. O inesperado. As coincidências. O surpreendente. O arrepio. As borboletas. As bolas de sabão. O salto sem queda. E mesmo com a queda. Mas um salto à séria. Mais um.

3 comentários:

Gata Verde disse...

E terás...não procures, deixa que aconteça!!
A vida oferece-nos as melhores coisas quando estamos distraídos!!
:)

Sayuri disse...

Estas cheia de sorte por este ano o cinzento é tendência!
Em Constancia fez um solzaço o dia todo!

ianita disse...

Gata Verde: é mesmo :) nem sempre o que queremos é o melhor para nós. Às vezes a vida "knows better" :)

Sayuri:este ano deu-me para isto :)