9 de junho de 2008

O primeiro passo...

Fui dar a minha voltinha pelos meus blogs de sempre, os mencionados aí ao lado, e li algumas coisas que me deixaram a pensar.

O Alvim escreveu um texto fantástico sobre o primeiro passo. Basicamente, para quem não quiser ir ler, embora devesse, ele diz que Portugal se deixa estar confortavelmente sentado à espera que sejam os outros a dar o dito primeiro passo. Porque somos pequeninos, porque temos medo do escuro, porque temos medo de nos expor ao ridículo. Não somos os primeiros na pista de dança, como não somos os primeiros a fazer nada e, por isso, somos sempre os últimos em quase tudo.

Tudo verdade. Temos de nos insurgir! Dar o grito do Ipiranga! Assumir o controlo do nosso País e do nosso destino... porque, já dizia o manelito, o D. Sebastião não vem! :)

Mas isto fez-me pensar noutros primeiros passos. O mesmo tipo de passos que nos podem expor ao ridículo, que nos podem fazer querer pôr a cabeça na areia para o resto da vida, mas que também podem correr muito bem... Mas há o risco, mais ou menos calculado, de nos espalharmos ao comprido. E por mais que eu dê razão ao Alvim e ache mesmo que temos de fazer algo, porque, de facto, está nas nossas mãos mudar o rumo das coisas, eu acho que ele não se referia ao engate.

Sou uma mulher independente e sem complexos, mas sou incapaz de dar o primeiro passo quando vejo alguém que me interessa! Incapaz! Dói-me proferir estas palavras, admitir que sou incapaz de alguma coisa, mas é a verdade... Posso dar a entender, enviar sinais, dar dicas, mas chegar e dizer: "Gosto de ti!", ou roubar um beijo... Impossível! Nem na pior das bebedeiras!

E por mais que eu saiba que assim posso nunca sair do sítio, posso ficar na retaguarda da vida ad aeternum, não consigo ser diferente disto! Exagero? Imaginem que dou em me interessar por um tímido? Isto é coisa para demorar anos a desenvolver-se! :) Ou não, porque eu não tenho muita paciência para esperar pelo primeiro passo. Devia ser mais tolerante com os homens, visto caber-lhes a eles o primeiro passo que eu não consigo dar, mas não consigo ser! Têm a vida facilitada de tantas maneiras que isto, este risco horrendo, esta adrenalina de não se saber se se recebe um beijo ou uma estalada na cara, cabe-lhes a eles!

Peço desculpa, mas este primeiro passo eu não o dou...

2 comentários:

Raquel disse...

Mas devias... sempre bem pensado, claro está, visto o teu receio ser tão grande, mas devias!
Olha, que por vezes grandea amores surgem assim mesmo, da insensatez!

Ianita disse...

Eu não acho insensato, mas arriscado! Sempre fui assim e acho que estou velha demais para mudar no que a isto diz respeito. Se calhar perco muito com esta atitude, mas é mais forte que eu. Não me imagino e meter conversa com um rapaz num bar ou numa discoteca... Acho que fico tímida! :)