3 de janeiro de 2009

Blindness

Porra... foi esse o meu primeiro, segundo, terceiro, quarto pensamento quando comecei a ver o filme... Mas que treta de filme para se ir ver no meu 2º dia de lentes cor-de-rosa novas. Porra Porra Porra, mil vezes porra! A decadência humana no seu extremo... a consciência de que somos o pior animal ao cimo da Terra... porque pensamos, porque temos discernimento e ainda assim, dadas as circunstâncias, uns mais que outros, cedemos aos instintos mais básicos... todos nós... capazes do melhor e do pior... cegos para o que nos rodeia, para os outros... vivemos sós, isolados em nós-mesmos... no máximo vemos os que amamos, mas continuamos cegos para os outros... cegos...
Depois, pensei melhor.... este foi o melhor filme para ver... porque era isto mesmo que eu queria dizer... toda a gente se ri de mim quando falo das lentes cor-de-rosa. Mas era disto que eu falava! Temos de abrir os olhos e ver o que nos rodeia... ver com olhos de ver... ver a sério... mas estamos cegos cegos cegos cegos cegos, mil vezes cegos, porque não queremos ver, escolhemos não ver, escolhemos passar ao lado... olhamos para nós e para os nossos e mais nada. Perdemos a capacidade de acreditar, de ver o bom dos outros, o sofrimento alheio, o amor alheio...
Omnia vincit Amor!! Não estava a falar do amor carnal que une homem e mulher ou mulher e mulher ou homem e homem ou o que seja! Esse amor carnal que nos une uma noite, um cento de noites, uma milhena de noites... pouco importa... o que eu quero é aquele Amor com letra maiúscula. Amor ao próximo... só isso...
Ponham as vossas lentes cor-de-rosa! Vá, comigo... vamos pelo menos tentar... se nos vamos desiludir? Se vai haver quem se aproveite da nossa boa-vontade e da cor das nossas lentes? De certeza absoluta! Mas se pudermos olhar, ver uma pessoa que seja que precisa de ser vista... só uma que seja, já vai valer a pena! Não tenhamos medo da porrada porque no fim vai valer a pena... Vá... ponham as vossas lentes cor-de-rosa... só um bocadinho... só custa ao início, depois os olhos habituam-se... vamos deixar de ser cegos... vamos abrir os olhos ao Amor, à tolerância, ao respeito, à entrega... vamos...
Vou repetir as palavras de Virgílio... e é esta a minha resolução para o Ano Novo, que eu consiga não ter medo de me ferir, de sofrer, e que consiga manter, durante mais um ano, as minhas lentes cor-de-rosa.....
Omnia vincit Amor: et nos, cedamus Amori....

16 comentários:

Lize disse...

Se acreditares nas tuas lentes cor de rosa e se não deixares que as lentes pretas dos outros te deitem abaixo, vais conseguir acabar o ano com umas lentes quase rosa choque :P E pelo caminho, pode ser que mais alguns à tua volta adiram também ao fenómeno :)

Beijocas rosinhas :P

Ianita disse...

Eu gostava... mas sinto um aperto no peito... e tenho medo de me deixar cair... de ter demasiado medo... mas vou tentar... pelo menos isso...

Beijo

Lita disse...

És uma linda...
Eu tento tirar as minhas lentes, quer as pretas, quer as cor de rosa... porque quero ver as cores verdadeiras do mundo e das pessoas. Acredito, no fundo do meu coração, que são brilhantes, e únicas!!!!
Mas entendo perfeitamente o que queres dizer!!!
Um grande beijinho.
Bom fim de semana.

Ianita disse...

Eu ontem tirei-as e olhei para mim... e não gostei do que vi...

O que eu acho é que se virmos quem nós somos, que somos capazes das piores coisas, talvez sejamos mais tolerantes com as falhas dos outros... talvez...

Queria só poder esperar o melhor dos outros, de mim...

Kisses

Isandes disse...

Miúda, depois do saturno passar no teu trânsito (até aos 30), isso melhora, believe me!
Nice look, o do blog. tens d me explicar como se muda...
Já agora, o k aconeceu ao nosso u joão?

Ianita disse...

Pois também não sei... já não é a primeira vez que apronta uma destas... basta esperar que volte! :)

Para mudar... pois carrega ali naquele símbolo em cima, do lado esquerdo... tens de primeiro mudar o blog pra um template minima. depois escolhes um template ali do site e segues as instruções. Se eu consigo, toda a gente consegue! :)

Até aos 30? Bem... está quase :)

Kisses

Isandes disse...

thanks, bj

joão disse...

Olá Ana:obrigado pela referência. Ora aqui está um texto deveras complicado. O que posso dizer a respeito, é; nunca deixes de usar as lentes cor de rosa, bem giras por sinal,mas, isso não implica que deixem de existir a paleta com outras cores.
Acho que na vida não se deve valorizar muito a forma como os outros agem, mas, como EU actuo.
O Saramago, não lhe contesto o talento, é um escritor pessimista, devido a uma série de factores, não será certamente ele que vai dar alguma nota de esperança à vida que se vive nesta era, quando ele queria que fosse vivida de uma forma totalitária.Mas é a vida que temos :)
beijo

TM disse...

Conseguir ver o que nos rodeia e saber viver com tudo isso é a melhor forma de manter esses tais óculos no lugar certo... e com a cor que quiseres.... :)
(Excelente filme... de um extraordinário livro...)

Ianita disse...

João: sejas bem regressado! Feliz Ano Novo! :)

Não deixas de ter razão... ele é um tanto pessimista e também não me revejo nas teorias dele... só no humor quase negro... quanto às lentes cor-de-rosa, são uma metáfora, claro está :)

TM: Escolhi o cor-de-rosa porque é a cor mais queriducha e optimista... pelo menos parece-me! :)

Kisses

IandU disse...

Entendo a tua ideia e até aplico. Como tudo na vida, um fruto podre consegui estragar um caixote de frutas boas. É preciso seguir com a ideia mas têm que ser todos ou isso nunca será possível neste mundo***

Ianita disse...

Já somos dois... Já faltou mais, ou não?

Kisses ;)

IandU disse...

já sim ;)

beijinhos

Vera Angélico disse...

Ora... fui ver o filme e comentei no meu vlog. Não tinha lido o livro, mas já estou a tratar disso.

Para mim (eu até já sou naturalmente pessimista), foi mais do que chocante. Felizmente tive alguém no cinema que me deu a mão nas alturas certas. Fico impressionada com os filmes, e saio da sala sempre uma pessoa diferente. Na vida, como no filme, às vezes ficamos "cegos", e é bom ter alguém que tenha a frieza suficiente para nos guiar. Ou só para nos dar a mão.

A humanidade, no filme, é levada aos extremos. A vida é vista assim. O amor é relativo. A nossa condição. A dignidade. Os limites...

(Às vezes também preferia ver o mundo com lentes cor-de-rosa...)!

Vera Angélico disse...

vlog obviamente que é blog... ehehehehe!

Ianita disse...

Pensei que era uma coisa nova nas lides da net e que eu desconhecia :) LOL

A humanidade ao extremo, sem dúvida... tudo ao extremo... e reparaste como ela ficou triste quando eles começaram a recuperar a visão? Um filme incrível, mesmo.

Quanto às lentes cor-de-rosa... caem de vez em quando, mas persisto nelas.

Kisses