9 de abril de 2009

Pró-actividade

Acho que não gosto desta ideia. Acho mesmo que não sou uma pessoa pró-activa. Pelo menos no que toca aos homens. Acho que teria gostado de ter nascido homem porque gosto do jogo, da caça, da conquista. Mas, enquanto mulher, não consigo ultrapassar um sem-número de convenções que me foram impostas. Não consigo chegar e dizer "gosto de ti" ou "atrais-me" ou "tenho um fraco por ti" ou "gosto do que me escreves" ou "gosto do que me dizes" ou whatever! Irrita-me ser assim, mas sou. Irrita-me não conseguir ser pró-activa... Já falei deste assunto algumas vezes. Aqui e aqui. Vejo que os anos passam e eu na mesma... Acho que a pró-actividade is over rated :)

31 comentários:

Mag disse...

Linda, deixa lá, somos tantas assim... ;)

Brigitte disse...

Os anos passam e de certeza que aprendeste alguma coisas, de certeza que tas diferente!!!

:)
Pascoa Feliz!!!

Ianita disse...

Mag: é um mal comum, então?

Brigitte: aprendi a ver que sou parva... LOL :) Uma Páscoa feliz também para ti e para os teus!

PAULO LONTRO disse...

E que te disse que todos os homens são assim, caçadore, conquistadores e que dizem essas coisas assim, de forma clara...? HHUUUMMM...!!!

O mais normal é ser-se como tu,e quando são como os descreves, apanham um em cada dez, a vida não é fácil em nada, temos que ir conquistando os nossos medos, um a um, bem devagar.

Ianita disse...

Paulo: tens razão. Mas uma pessoa passa a vida a ser a presa e não o caçador. E sim, acaba por ser mais confortável esta posição. Acho que será tremendamente ser-se homem no que toca ao romance. Avançar / não avançar, falar / não falar, beijar / não beijar. É mais confortável ir dando pistas e ficar à espera do movimento do outro, à espera do salto no escuro do outro.

Tenho plena consciência de que não é justo. Tenho plena consciência que neste assunto ainda não há igualdade... porque eu não consigo chegar-me à frente, mas também não tenho muita paciÊncia para homens tímidos,LOL :)

Talvez na próxima geração as coisas sejam ainda mais fáceis... mas acho que eu já sou um caso perdido :)

Kisses

Vera Angélico disse...

Bem... tem acontecido tanta coisa... tenho-te lido, mas não tenho dito nada.

Encontrei uma coisa em que somos muito diferentes. EHEHEHEHEH!!!

Nunca tive esse "problema". Para mim é muito claro. Gosto. Digo. (Acho que no outro dia pedi alguém em "casamento"). As respostas podem não ser as esperadas. Mas pelo menos nunca fico com aquela sensação de "what if..."!

Ianita disse...

Vera: ontem estive com o telemóvel na mão para te ligar. Mesmo. Seleccionei o teu nome na lista de contactos e fiquei a olhar para o teu nome... depois recuei, não sei bem porquê.

Eu fico muito com essa sensação "what if". E detesto. Mesmo. Acho que não devia ser assim. Sou mulher, sou emancipada, sou moderna, tenho quase 30 anos, sei o que quero e sei o que não quero, deveria ser mais pró-activa... mas não sou.

Como aquela história do príncipe e das capelas imperfeitas... se ele lá estivesse e me falasse eu corria-o ao pontapé! LOL

E sim, mereço um par de estalos a ver se acordo pra vida!

Kisses

PAULO LONTRO disse...

Iani, o assunto roda sempre o “medo”, é o medo e a antecipação da rejeição que faz uns serem mais ou menos audazes. Sobre este assunto já falamos várias vezes e acho que entendemos a maneira de pensar de cada um de nós.

Tenho um grande amigo que, há muitos anos, quando andávamos os dois “mais soltos”,em todos os sentidos, fazia (e eu vi e ouvi) uma cena super divertida nos bares e discotecas, ele a certa altura da noite saía-se com esta, virava-se para a “garota do momento” e perguntava-lhe muito seriamente:
- Vamos sair? Vamos para a cama?

Quem estava junto ou por perto dele, como era o meu caso, ficava um pouco admirado e vi dois resultados possíveis acontecerem, ou a miúda ia… ou recusava e dizia por exemplo “tu és doido rapaz”.

Numa das primeiras vezes ele respondeu à minha perplexidade:
- Carago Paulo, o que temos a perder? Se ela aceitar… “virou” ! Se não aceitar e ficar chateada, eu digo que vou para a cama, tenho mesmo que ir para a cama porque amanhã tenho que me levantar muito cedo. Elas até ficam com pena de mim ou envergonhadas por terem tido pensamentos menos “morais”.

Ria-se despregadamente a olhar para mim.

Ianita disse...

Paulo: gostei! :)

Aqui há mais que medo. Há as convenções. Por mais que uma rapariga queira dizer o sim a uma pergunta dessas, a verdade é que não quer que o homem a veja como fácil.

Fizeram-nos lavagem cerebral uma vida inteira. Uma mulher é fácil se for pra cama com um gajo só porque lhe apetece. Acho este modo de pensar errado, mas não deixa de me martelar na cabeça.

Vejamos. Não sou também de me sentir atraída por pessoas que não conheço, que ainda não "cheirei". Digamos que preciso que me deiam conversa :) mas se conheço alguém de quem gosto, se já falámos algumas vezes, não sou capaz de me chegar a ele e perguntar se quer ir sair comigo. Não consigo chegar e perguntar "vamos beber um copo?" ou "vamos jantar?" ou whatever. Lá está... sempre com o dito receio do que ele possa pensar de mim.

E sim, isto é do mais errado que pode haver. Irrita-me pensar sequer assim. Eu não devia importar-me com o que pensam de mim, mas a verdade é que importo. É que por mais que uma pessoa tente fugir, a verdade é que fui criada numa sociedade judaico-cristã que acentua demais esta questão da culpa, do pecado. Principalmente para as mulheres. Detesto isto, mas está demasiado enraizado em mim...

Não quer dizer que seja uma santa, que não sou. Mando as minhas bocas, mando os meus olhares, mando as minhas indirectas que espero que sejam directas... entro no jogo. Mais que isso, não consigo.

Quanto ao teu amigo...tem atitude! ;)

Kisses

Sayuri disse...

Não há nada como fechar os olhos, respirar fundo e seguir para Bingo! E seja o que Deus quiser! :)
Quem não arrisca nao petisca!

Ianita disse...

Sayri: eu sei.... mas.... :) ai!

Vera Angélico disse...

Ai, ai, ai... quando me quiseres ligar, liga. Ou faz-me uma visita. Comemos umas amêijoas, uns berbigoes na Nazaré (que eu caracóis, dispenso).

E eu acho mesmo que isso é uma aprendizagem. Aprende-se a dizer na cara. "Gosto de ti", "Quero sair contigo", entre outros. Sem rede. Sem rede é a expressão certa. Mas como se costuma dizer, o não é garantido. E eu fico aliviada. Da última vez que senti vontade de o fazer, andei uns dias a pensar (lol... parecia a Helena). Como o devia fazer, em que situação ou contexto. Depois disse e não custou nada. E às vezes sai naturalmente. Sem medo e ansiedade face à resposta. A resposta não altera o que sinto.

Vivi muitos anos a pensar como tu. Até um dia (isto parece um cliché), em que perdi oportunidades de o fazer. E serviu-me de lição...

Beijos.

Ianita disse...

Vera: pois... mas... ai! Porra!

PAULO LONTRO disse...

A Vera colocou os pontos nos iii.
De facto não se pode fugir muito ao que ela escreveu.
A realidade é aquela e quando se é educado, honesto e verdadeiro os riscos do vento soprar para o nosso lado não pode ser dominado mas uma coisa é certa não ficamos mal na fotografia nem (e mais importante) com nossa consciência.

Ianita disse...

Paulo: eu vim com defeito............. cm s faz pra mudar?

PAULO LONTRO disse...

Não mudes, eu gosto dos teus defeitos ou gosto de ti assim "defeituosa". :)

Um dia escrevi num comentário a um post teu que: "...nunca devemos procurar significados ou falhas, não devemos procura constantemente as nossas falhas, o ser humano é perfeito nas suas imperfeições:...".

Só há razão para a mudança se a sentires (a razão) e aí não há quem ensine nem quem indique o caminho certo, talvez porque ele não existe, e ninguém te conhece como tu própria.

Ianita disse...

Paulo: nisso eu acredito. Mesmo. Profundamente. Que somos seres perfeitos. Que hei-de encontrar alguém imperfeito, mas que seja perfeito para mim. Com imperfeições que encaixem nas minhas imperfeições. Um dia.

Às vezes sinto-me frustrada e como que a marcar passo. Mas... é assim que sou e tenho de me consciencializar disso e pronto. Não vale muito a pena estar a analisar isto.

E fico contente que haja pessoas que gostem de mim assim, defeituosa ;)

Kisses
(já mandei o meu palpite lá no teu estaminé... de certeza que acertei!)

Fenix disse...

Li o post e li todos os comentários e as tuas respostas.
Eu vinha cá dizer coisas muito parecidas às que disse a Vera.
Sabes, eu tenho 44 anos, tive uma educação (pelo que percebo) muito parecida com a que tu recebes-te.
Durante muitos anos senti-me e comportei-me com o sexo oposto como tu dizes comportar-te.
Mas a certa altura senti que estava a perder as tais oportunidades (como diz a Vera) e decidi dizer "chega" a mim própria.
É que a mesma mãe que me ensinou e condicionou a comportar-me com o sexo oposto dessa forma, também me ensinou que não devemos ter medo de tentar conseguir coisas, diz ela que "O não já o temos..., temos que ir à procura do sim"....
So..., I Changed!
And it worked!
:-)

Beijinhos
Não tenhas medo de dizer o que sentes.
Amar não é pecado.
É o mais natural e normal do mundo.
Não precisas de convidar para ir para a cama, às vezes nem precisas de dizer palavras...
És mulher..., naturalmente encontrarás a tua própria forma de seduzir...
Um olhar, um sorriso, um contacto de pele como que sem querer, seguido de um pedido de desculpa cheio de sorrisos...
Derrete o gelo e faz com que te digam o que queres ouvir sem teres que dizer tu...
Encontrarás a tua própria forma...
Às vezes as palavras são apenas um entrave...
Usa outros métodos...
:-)))

Beijinhos
Boa Páscoa
Sê feliz

São

Deixa-te ir com os sentimentos...
;-)))

Yiskay disse...

tás optima assim... não se pode agradar a todos!! e pelo que se "vê" até agradas a muita gente!!! :)

Rice Man disse...

Podes crer que é overrated! :D Também li o teu post e as respostas que deste aos comentários e digo-te uma coisa... Às vezes gostava de estar no outro lado. Eu ADORAVA que uma rapariga viesse ter comigo e me dissesse algo do género "Tu és um tipo espectacular!... Queres sair comigo?" (Yeah, keep on dreaming!)! :) E não a acharia fácil por isso. Porque o faria? Ela apenas teria feito algo que algumas vezes eu próprio não tenho coragem de fazer apesar da vontade. Eu sou tímido. Sempre fui, sempre serei. Vou contar-te uma história que se passou comigo... Havia uma rapariga que eu via todos os dias enquanto estava a trabalhar. Nunca tinha trocado mais que um "Bom dia!" ou "Boa tarde!" com ela mas achava-a muito gira e um dia decidi convidá-la para ir beber um café (coisa que nem bebo mas!...). Tinha o coração aos saltos. E se ela achasse que estava a ser muito atrevido? E se ela dissesse que não? Depois tinha de a ver todos os dias!... Enfim! Ela trabalhava numa loja de esquina e, tímido como sou, tinha medo de chegar até à esquina e depois não a dobrar com o medo. Decidi então não dar qualquer hipótese de recuar a mim mesmo. Dei a volta e fui pelo lado que dava directamente para a frente da loja de maneira a que ela me visse a ir na sua direcção ao longe. Ao chegar à porta da loja o meu coração estava completamente descontrolado, aqueles 'Ses' não me saiam da cabeça e não fazia a mínima ideia do que dizer caso entrasse... mas entrei. Entrei com a ideia "Vais cair ali de pára-quedas e depois desenmerda-te!". Ao menos depois não podia voltar atrás e este assunto estaria resolvido de uma vez por todas!". E assim foi. Lá dentro já não tinha saída, todos os 'Ses' tornaram-se secundários, só me restava dizer ao que vinha e esperar pelo melhor. Gosto de pensar que essa experiência me fez crescer. Hoje em dia sei por experiência própria que uma maneira eficaz de ultrapassar medos como este é simplesmente conscializarmo-nos que no outro lado está apenas uma pessoa como nós e não um monstro que nos quer fazer mal.
E não acho que sejas um caso perdido. Isto também depende muito do feedback que recebemos da outra pessoa. Mas descansa!... Decerto que o príncipe imperfeito perfeito para ti saberá interpretar as tuas bocas, os teus olhares e as tuas indirectas com pretensões a directas e saberá agir em conformidade! ;)***

lilipat2008 disse...

Já somos duas...:)

bjitos

Ianita disse...

Fénix: essas coisas todas eu já faço. Acho até que tenho um mestrado em sorrisos enigmáticos e meias palavras e indirectas e afins :)

Não digo nada disso, primeiro porque acho que não consigo, e depois porque não tenho a quem dizer. Isto é apenas uma reflexão. É como dizes, uma pessoa quando está interessada arranja formas de o mostrar. Só que neste momento não há ninguém que me encha as medidas... Um dia... :)

Obrigada pelas palavras. Mesmo.

Kisses

Ianita disse...

Yiskay: as pessoas da Internet são muito simpáticas... só conhecem o meu lado doce, querido, meigo, desprotegido... nunca me viram, nunca me cheiraram, nunca me ouviram, nunca me viram o mau-humor... talvez por isso...

:)

Kisses

Ianita disse...

Mr. Rice: ..........

(Não disseste como acabou a tua história...)

Posso dizer que adorei a tua última frase? Adorei a tua última frase. Só isso. Chega? Acho que sim.

Kisses

Ianita disse...

Lilipat: podíamos formar um clube! :)

Kisses

Lita disse...

Amiga, como te entendo...
Mas acho que cada caso é um caso e um dia, se tiver de ser, "vais-te a ele"! Porque às vezes simplesmente não podemos deixar na hipótese... ;)
Beijos

Ianita disse...

Lita: Um dia... talvez. :)

kisses
(ir-me a ele? hummmm... até gosto da ideia...)

Rice Man disse...

Ianita... A história? Acabou bem! :) Ela ficou muito surpreendida com a proposta/convite mas aceitou e tomámos o tal café (quer dizer, ela tomou, eu bebi outra coisa. :P). Não nasceu nenhum amor desse encontro mas ficámos amigos e foi uma boa experiência. :)

:D Isso quer dizer que o resto do comentário é fraquinho? Estou a brincar!!! ;D Ainda bem que gostaste because i meant every single word! ;)

(E agora, ou daqui um bocadinho, vou para a terrinha e lá não há Net por isso não vou andar por aqui... Mas já estou ansioso para ler os teus posts todos no Domingo quando voltar! ;) Espero que tenhas um super fim-de-semana!!! :) )

Ianita disse...

Mr Rice: fraquinho fraquinho :) nã! :)

Eu não escrevo nada de interessante. São só coisas. A maioria parvas. Tretas, como muitas vezes ponho nas etiquetas.

E sim, foi uma grande frase. E já houve quem me dissesse o mesmo, por isso, mr. rice :)

Um bom fim-de-semana com muito arroz :)

Sayuri disse...

Um comentario dirigido ao comentario do RiceMan: acho que esse daria um belo post, RiceMan, e gostei muito que tivesses exposto a tua historia à Ianita. Keep it going!

Ianita, eu já disse, é respirar fundo fechar os olhos e zás! quando deres por ti, já está! :)

Ianita disse...

Sayuri: tipo como para engolir Aspegic? :)

Kisses