6 de maio de 2009

Losing touch



Losing touch...

É assim que me sinto. Eu sei que tenho uma calma aparente. Eu sei que tenho uma força aparente.

Deve ser por isso que me apanho muitas vezes em situação de dar apoio. De dizer "isso incha desincha e passa" ou "tudo passa! Vais ver que amanhã já estás melhor" e ouvir qualquer coisa como "ah, isso és tu que és forte" ou "isso dizes tu porque provavelmente nunca amaste ninguém a sério".

É tudo uma questão de atitude. Acho mesmo que sofremos na proporção em que somos felizes. E é por isso que digo que ainda vou sofrer muito, porque isso significaria que irei ser muito muito feliz. O que acontece é que os meus quase 30 anos e a minha mania de me atirar de cabeça a tudo já me deram alguma experiência. Eu sei que tudo passa, precisamente porque já amei muito muito muito. Precisamente porque já fui muito amada. Precisamente porque já chorei de dia e de noite. Precisamente porque apesar de ter amado muito, de ter sido muito amada e de ter chorado de dia e de noite, tudo passou.

Eu digo às vezes que tenho muitos medos e quase ninguém acredita em mim. Mas vivo com medos, pânicos, pavores todos os dias. Se não o demonstro é porque escolhi viver apesar deles.

Vejamos. Tenho pânico de andar de avião. Não adianta virem com estatísticas e dizerem que é o meio de transporte mais seguro, muito mais seguro que andar de carro. Eu sei essas coisas todas, o que não me impede de ter um medo doentio. Precisamente porque o medo não é racional. Sábado vou viajar. Vou de avião. Quem viu a rapidez com que marquei esta viagem não acredita quando falo do meu medo dos aviões. Tenho a mania de me mostrar forte e ninguém imagina o turbilhão que vai cá dentro. Eu vou no avião, drogada, mas vou. Não estou a exagerar. Vou mesmo tomar um qualquer calmante para me manter minimamente serena durante as duas horas de vôo. Mas não ir está fora de hipótese.

Esta semana tenho tido pesadelos. Há-os de todo o tipo, é à vontade do freguês. Aviões a explodir no ar, aviões a cairem a pique, aviões a partirem-se ao meio, aviões a desaparecerem, aviões a serem desviados. O pesadelo mais bonito (digo isto acordada e porque tenho noção do ridículo, mas a dormir isto foi assustador) foi quando um grupo de separatistas açoreanos desviou o avião. O meu ritmo cardíaco está acelerado. Sinto um aperto gigante no peito. Não consigo comer. Mal fecho os olhos só vejo aviões a rebentar. Ando assim desde Domingo.

A minha atitude com os aviões é a mesma que tenho com a vida. Apesar do medo que me corrói por dentro, apesar dos pesadelos, apesar de tudo, eu avanço. Mas, por favor, não me venham dizer que eu não sinto medo só porque tenho atitudes corajosas (até porque não há coragem sem medo). Não me venham dizer que nunca amei, só porque digo que "incha desincha e passa". Não me venham dizer que sou forte, só porque aconselho as pessoas a valorizarem-se e a gostarem de si-mesmas e avançarem apesar das circunstâncias.

Não sou pessoa de lamúrias. Choro muito, mas sempre sozinha. Só eu sei da minha vida. Só eu sei o que está cá dentro. Vou mostrando pelas minhas acções o que sou capaz de fazer. E eu sou capaz de tudo, acho que até de uma volta ao Mundo (desde que tenha uma caixa de calmantes!!!). As fragilidades... essas... vou mostrando algumas... mas só porque não as mostro, não significa que não as tenha.

Neste momento... agora... I'm losing touch.

22 comentários:

PAULO LONTRO disse...

Tu és mesmo especial Ana.
Seria politicamente correcto dizer algo diferente mas a verdade é que me ri muito com este post, especialmente com os teus separatistas açorianos.
Minha linda, tu tens uma grande vantagem (não sei se com intenção) de saberes quais são os teus fantasmas e de os tirares do armário e os colocares nos textos, ficarão eles com vergonha ou debilitados pela exposição forçada? Talvez, os psic. que saltem para a arena…
Não sei o que isto te faz mas acho que mal não faz de certeza.
Toma lá os calmantes e se possível fuma um charro mas vai, vai, diverte-te e aproveita o momento, tu mereces e muito, ser feliz.

lilipat2008 disse...

Eu adoro andar de avião...mas percebo onde queres chegar. Há uma frase célebre que eu nao consigo contextualizar mas diz mais ou menos assim: "Coragem não significa não ter medo, mas sim enfrentar os medos." E é aí que reside a difenrença. A pessoa corajosa é aquela que enfrenta os medos, por piores que eles sejam. E o medo de viver é dos piores medos de que podemos sofrer e do qual, basicamente, toda a gente sofre. Estou agora a lembrar-me de um programa com o Jorge Gabriel que dava na SIC, que era o Agora ou Nunca, onde acontecia exactamente isso. As pessoas eram convidadas a enfrentar os medos e, quase todos, no fim, diziam ter superado os medos que tinham. O tão famoso: Ponha, ponha, ponha, ponha...mais tarde comprou uma iguana pra animal de estimação (segundo li numa revista qq). Isto vai ao encontro daquilo que estás a dizer.
E sim, és uma pessoa forte, por fazeres isso...por enfrentares os teus medos. :)

bjitos

p.s. - a menina vai viajar?...pode saber-se pra onde? E não há por aí um espacito na mala pra me levares contigo?...ehehehe

Vera Angélico disse...

Eu bem queria, mas não tenho nada muito simpático para te dizer. Para ajudar, só se for à farmácia comprar os comprimidos. E guio-te a Lisboa, e até te levo ao avião, toda "ganzada", se assim for!

De resto não sou a melhor pessoa para falar. Eu, que adoro aeroportos. Que são o sítio mais romântico do mundo. Mas fico-me pelo espaço físico. Os aviões são assustadores. Eu não vou ser capaz de dizer nada adequado durante o voo. Vou estar mais assustada que tu...

Mas, como digo sempre, em tom de brincadeira. A cair, que seja rápido. E no regresso. Assim, pelo menos, a experiência e a felicidade da viagem ninguém nos tira... ;)

ianita disse...

Paulo: ai esse "especial" :) Muito tu te ris de mim!!!

Sim... eu tenho consciência dos meus medos. Escondo-os, mas dos outros e não de mim. Eu sei bem quem eles são e o que me fazem e sei bem onde estão e o que fazer com eles. Mas isso não implica que não me façam passar noites sem dormir...

E é por saber que vai ser muito bom que me sujeito a isto :) Vai ser muito bom mesmo!

Obrigada :)

ianita disse...

Lilipat: pois... há pessoas assim afortunadas! Eu queria ser destemida! Eu queria não ter medo... mas... tenho de viver com isto...

A menina vai a S. Miguel :)

Kisses

Rice Man disse...

:) Não digo que não sentes medo... Quanto mais não seja tens medo de não poderes dar tudo o que tens aos teus, mesmo que isso não te impeça de o fazer! Não digo que nunca amaste... Quanto mais não seja tu amas a vida (gosto muito disso em ti), resultado de te amares a ti primeiro (fui influenciado pelo Pessoa! :P )! Não digo que és forte só porque aconselhas as pessoas a valorizarem-se e a avançar apesar das circunstâncias... Quanto mais não seja tu fazes isso mesmo sem palavras, através do exemplo, mesmo quando este te é inconsciente, pela maneira como escolheste viver. :) Fragilidades? Não serias humana se não as tivesses! Faz parte do contrato. Mas tu sabes os teus limites. Se não os forçares nem deixares outros saberem o que forçar não terás problemas.

Não sei se isto ajuda mas tenta ver as coisas desta maneira... Qual é o propósito desse medo? Vai tornar a viagem mais segura? Não. A viagem vai ser feita e o teu medo não vai a vai influenciar em nada. Então porquê passar uma ou duas horas desagradáveis? Diz ao teu cérebro que não vale a pena sofrer por algo que está fora do teu controlo. O medo pode ser irracional, tudo bem... mas é energia mal gasta. Desliga-o. Neste caso só tens a perder em tê-lo. Se não resultar experimenta isto... Lembra-te bem do que passaste na viagem e durante esta semana. Quando voltares da viagem e tiveres novamente os pés em terra firme pergunta a ti mesma "Para que serviu aquilo tudo?". Verás que podias ter passado uma semana muito mais calma em vez da semana de pesadelos que tiveste. Em alternativa podes fazer como o Jack Sparrow e levar contigo um fraquinho com terra. ;)

Don't lose touch!... We would miss you too much! ;)***

ianita disse...

Vera: comprimidos é o que não falta. Já fui comprar os do enjôo e já os tenho todos embalados :)

E ainda bem que consegues levar o carro, porque eu vou estar imprópria para consumo! Se eu estou nervosa hoje, imagina Sábado!!!

Vai ser bonito... uma mais assustada que a outra! Que cambada de medricas, hein? Pelo menos não vais ser como o meu pai que uma vez passou o tempo todo a dizer "olha lá pra baixo! olha ali que bonito! Tens medo? Não tenhas medo... olha ali a asa a abanar!". E eu só queria que me deixassem em paz!!

Ah! Não te disse, mas liguei pra SATA e pedi um avião daqueles que não caem nem explodem :)

Kisses

ianita disse...

Mr. Rice: Gostei mesmo muito do que me escreveste. Eu pareço sempre melhor vista pela tua lente. Obrigada :)

Tenho medos. Comecei a viver melhor no dia em que decidi aceitá-los. Olhei-os de frente e segui em frente. Mas custa. Todos os dias custa. É como uma força que me puxa para trás... mas eu persisto!

É irracional mesmo... não consigo que o meu cérebro tome o poder. Nem com a treta do sonho dos separatistas açoreanos! Que ridículo! Ainda assim...medo. Muito.

Thank you for your kind words :) Mesmo.

Vera Angélico disse...

Não sei se foi solidariedade. Mas esta noite sonhei toda a santa noite com aviões que aterravam de emergência, nas estradas, na praia e em todo o lado. Depois explodiam ao nosso lado, já sem passageiros. E diziam "SATA". Só pode ser um bom presságio...

Temos que ver as coisas pelo lado positivi. Na volta apanhamos um assistente de bordo todo "tesudo", dizemos que temos medo, e saltamos-lhe para o colo!

;)

ianita disse...

Vera: estamos bonitas estamos :)

Mas pelo menos no teu sonho o avião só explode depois de nós sairmos do avião. Nada mau!

E gostei dessa do assistende de bordo... mas parece-me que não vamos ter sorte!

:)

Lita disse...

Há momentos assim. E ainda bem que os há. São as nossas pequenas revoluções. Independentemente daquilo que estás a sentir agora, sabes quem és, qual o teu valor e onde queres ir. E essa é a viagem! :)

AS ondas passam e o mar permanece...

Outra coisa, não chores sempre sozinha... :) Às vezes, "aquele" ombro é o melhor que nos pode acontecer!

ianita disse...

Lita: nem sempre sei... tenho muitas dúvidas... muitos conflitos interiores... tento ir sendo verdadeira comigo e com quem me rodeia... mas a verdade é relativa, não é?

Talvez resultado de ter sido torturada quando era miúda (pelos meus irmãos que me gozavam a cada lágrima que caía), nunca me senti confortável a chorar fosse em que ombro fosse... só no da ursa azul.

Kisses

Brigitte disse...

A ti só te quero dizer uma coisa:
PENSAMENTO POSITIVO e encara a vida sempre,mas sempre com uma sorriso nos lábios!!!

beijos
:)

ianita disse...

Brigitte: eu tento. Mas quando fecho os olhos só vejo coisas más. Se o meu irmão se atrasa meia hora, vejo-o envolvido em acidentes... se a pessoa que ficou de me ligar, não liga, é porque aconteceu uma tragédia. Os piores cenários possíveis sempre!

Mas eu não posso nem consigo viver assim. E por isso escolhi viver de forma diferente. Mas por dentro eu sou tudo menos cor-de-rosa...

Kisses e Obrigada :)

Brigitte disse...

Eu compreendo-te tão bem....tb sou assim sou um dos meus irmãos...mas tb aprendi a dormir antes que ele chegue...a ter paciência qd o meu pai se atrasa por alguma coisa e a esperar um telefonema da minha mãe, de qd chego a cada ela não ta lá!!!!

Tudo isto se aprende, não nascemos ensinados.....Se sorirres será melhor!!

:)

ianita disse...

Brigitte: eu também... embora me levante de noite para ver se o meu irmão já chegou :)

Eu sorrio. E avanço. E quem me vê pensa que eu sou uma optimista... tudo fogo de vista :)

Kisses

Brigitte disse...

lol...eu tb era assim!!!!
Levantava-me, cheguei a pôr o despertador.....

Acredita que os medos desaparecem!!!

:)

ianita disse...

Brigitte: os meus não desaparecem... mas estão quase em rebelião porque eu não cedo aos caprichos deles! :)

Mag disse...

Todos temos medo de uma ou de outra coisa... o mais importante já tu fazes, como tu própria dizes: não lhes cedes terreno!

Estava a pensar nos meus medos... acho que tenho medo de conflitos, não porque não tenha força para travar as batalhas mas porque realmente me incomoda, me afecta negativamente, que as pessoas discutam, gritem, se magoem, se encham de raiva... tanta energira desperdiçada apenas para ferir o outro...

ianita disse...

Mag: eu adoro discutir! Discutir, no sentido "troca de argumentos opostos". Gosto que me ponham à prova, que contestem os meus pontos e vista e depois gosto de os defender com unhas e dentes. :) Claro que a minha noção de discussão não implica faltas de respeito nem gritos :)

Kisses

lilipat2008 disse...

Então que faça muito boa viagem...:)

bjitos

ianita disse...

Lilipat: Obrigada! :)

(preciso de todas as boas energias!)