28 de agosto de 2009

Novela mexicana

Hoje, pela primeira vez em anos... hoje, pela primeira vez chorei em frente de pessoas. Chorei no trabalho. Coisa que nunca tinha acontecido antes, ou porque me controlo, ou porque até sou pessoa de reagir bem a situações de stress, ou porque choro em casa sozinha.

Há umas semanas que a situação se vinha a deteriorar. O sr. advogado (um gajo da minha idade com tiques de ditador e com a mania que é doutor) andava a pressionar com os contratos da Polónia. Não um pressionar saudável, mas um pressionar parvo de perguntar de hora em hora quantos contratos já tinha visto, mesmo eu tendo-lhe dito que no escritório não consigo ter tempo de ver qualquer contrato e que só os vejo em casa (uma vez que é importante).

Na 3ªfeira disse-me que até hoje tinham de estar todos vistos. Eu disse que não conseguia. Não foi mau feitio. Sou uma pessoa responsável. Gosto de fazer as coisas bem feitas. Disse que não conseguia porque de facto não conseguia e para, se fosse mesmo urgente, ele poder pedir a outras pessoas que ajudassem. Ele disse que se não estivessem todos vistos que teria de ir dizer ao LM, o patrão.

Ameaçou-me com o patrão. O cromo FDP deve achar que tenho medo do patrão! Devia achar que com aquilo eu ia conseguir fazer o que humanamente não é possível fazer.

Bem.... hoje foi a gota de água. Ontem saí do escritório eram 21h e ele viu que tinha estado a ajudar a minha colega com aditamentos de contratos. E hoje, às 9h da manhã, lembrou-se de me perguntar quantos contratos eu tinha visto ontem!! Disse-lhe que nenhum...

A coisa descambou, para resumir... voltei a dizer-lhe que se calhar era melhor pedir a outra pessoa para me ajudar. Ele disse que até à próxima 6º tinha de ter todos os contratos vistos. Eu que me organizasse e ficasse no escritório até à meia-noite todos os dias se fosse preciso e que parasse tudo o resto que estava a fazer, porque ele estava a mandar!

Ora... ele não manda (só se for em casa dele). E estava a berrar-me a dizer que não queria saber o que eu fazia ou deixava de fazer. Que me estava a mandar fazer aquilo e eu tinha de obedecer. Virei costas e deixei-o a falar sozinho.

Eram 19h30 quando consegui falar com o LM, a pessoa que tem a autoridade de mandar. A minha colega já lhe tinha dito que eu queria falar com ele. Ele inteirou-se do que se passava e quando fui falar com ele, ele já tinha falado com o advogado.

Não fui fazer queixinhas. Detesto queixinhas. Mas eu trabalho num grupo de empresas. No meu piso funcionam os serviços administrativos de 3 e eu faço coisas para as 3. O departamento jurídico está em 5º na minha ordem de prioridades. E se de facto é importante ver os contratos da Polónia tem de ser o patrão a mandar-me deixar de fazer tudo o que faço.

Não fui fazer queixinhas. Não falei dos berros nem das faltas de respeito. Disse apenas que estava com problemas em gerir prioridades e que o advogado me tinha mandado parar tudo, mas que eu não me sentia à vontade de cumprir a ordem sem falar com ele. Ele disse-me "Ele não tem noção! Já falei com ele e disse-lhe que tem de ser mais flexível".

E com isto o patrão ficou do meu lado. Não me disse para fazer um esforço. Não me disse que deixasse de fazer fosse o que fosse por causa daquilo.

O advogado achava que eu tinha medo do LM. Mas eu tenho a consciência tranquila. Faço o que posso. Dou tudo. Estou no escritório 12h por dia e ainda trago trabalho para casa. E porque tenho a consciência tranquila não tenho qualquer medo de falar com o patrão. É ele quem me paga. É ele que manda.

O advogadozeco de merda, que não tem outro nome, que passa a vida a culpar-nos pelas merdas que faz (ainda 4ªfeira aconteceu enganar-se numa procuração e culpar a minha colega), borra-se todo com o patrão. O patrão põe-o no lugar e ele pia fininho e depois vem vingar-se em nós. Pelo menos agora percebeu que não tenho medo dele. Que não tenho medo do patrão. Que não me pode tratar mal porque não me fico.

Fiquei enervada com o confronto. Fiquei mais enervada porque quis ir logo falar com o patrão e ele estava para Lisboa, tive de ficar o dia todo à espera... Fiquei enervada porque costumo andar sempre com calmantes na mala e hoje que precisei, não tinha. E fiquei enervada por me ter deixado enervar por aquele FDP anormal!

Uma autêntica novela mexicana... mas este primeiro round venci-o eu. Não tenho de ver os 65 contratos até 6ªfeira e o gajo não me pode chatear por isso. Palavra de patron é lei!
(Entretanto vou passar o fim-de-semana sem dormir... porque há festa na aldeia... mesmo em frente a minha casa e literalmente "até a barraca abana". As paredes vibram e há uns anos para cá há rave até de manhã! Oba oba! Durmo na próxima semana...)


Ianita 1 - Advogado de merda 0

:)

21 comentários:

MarYland disse...

Há gente muito estúpida.
Acho que fizeste lindamente - ir falar "com quem de direito" e não com o "doutor de Direito".

Beijinhos e força aí! O poder clássico continua vivo!:)

ianita disse...

Mary: sou tão doutora quanto ele. E ali as administrativas trabalham. Ele deve estar habituado àquelas senhoras que trabalham nos escritórios de advogados e que só batem documentos no computador e põem a cusquice em dia :)

Nunca fui de me deixar pisar :) e agora tenho vergonha de ter escrito tanta asneira...

Beijos!

Sayuri disse...

Tem de haver sempre um palerma em cada empresa! Eu tenho que aturar um que não é meu chefe, mas tambem acha que sim...o problema é que na acção, quem parece chefe sou eu (é tão facil encosta-lo à parede!!) :D

ianita disse...

Sayuri: eu tenho andado a passar ao lado dele este tempo todo... mas há um mês para cá tenho tido trabalho directo para ele...

Tenho noção que me excedi nas palavras... mas estava a precisar deitar tudo para fora!

Beijos (nós somos mulheres de fibra!)

PAULO LONTRO disse...

O cabrão ainda por cima fez penalti no último minuto. É mesmo burro.

O grande Herman José, há uns anos, teve um personagem que caricaturava esse doutorecos, era o “presidente da junta” e estava sempre a dizer: porque eu sou o presidente da junta…

Hoje em dia é assim que caracterizo esse tipo de comportamento para aqueles que pensando que têm o apoio do presidente da câmara estão sempre a dizer aos funcionário: “porque eu sou o presidente da junta”…

Desgraçados de frustrados, só sabem trabalhar “contra” e nunca “com” .

ianita disse...

Paulo: não estás orgulhoso da ianita? :)

PAULO LONTRO disse...

Orgulhoso sim, mas surpreendido não.
Tu tens mais coragem do que queres acreditar, mas isto, já eu te disse há muitos meses, ou não?

ianita disse...

Paulo: tenho coragem na proporção do meu medo :)

bono_poetry disse...

A menina resolveu por bem o que podia ter ficado feio,o melhor de uma discussao e evitando-a com classe,sem medos com toda a certeza,tambem me lembro de um episodio feiozinho com um tal de dr Paulo azevedo e que ainda hoje me manda cumprimentos por mail ...Bravo !!!

ianita disse...

bono: toda eu tremia... e para ter corrido mesmo mesmo bem, eu não teria chorado, e chorei... :/

Mas pronto... acabou por correr tudo pelo melhor! :)

Rice Man disse...

Esse advogadozinho nunca teve hipótese contra a relação de confiança que estabeleceste com o teu patrão. Tu dás o litro pela empresa e ele compreende e reconhece o teu esforço. As coisas podiam ter dado para o torto se tivesses cedido à pressão dele... mas não cedeste. És uma mulher (cada vez mais) forte. :) Segunda-feira vais para o trabalho muito mais alegre depois desse voto de confiança, aposto. :) Mas não baixes as defesas! Pela descrição que fizeste do 'senhor', ele ainda vai tentar meter mais cunhas entre ti e o o patrão.

P.S. - Não podes arranjar uns tampões para os ouvidos ou algo que o valha?

Dylan disse...

Nestas situações é preciso ter calma, categoria e classe para dar a volta a estes energúmenos.

ianita disse...

Rice Man: as coisas não são bem assim. O patrão emprenha pelos ouvidos. O azar do advogado, e sorte minha, é que o patrão não gosta muito dele. E como o patrão soube do que se passava sem ser por mim, também deu mais força à coisa...

Entretanto vamos ver como vai ser 2ªfeira. Espero que ele não se lembre de se "vingar"... a ver!

Dylan: eu gostava de ter tido mais calma... classe acho que consegui ter... virei as costas, coisa que para mim não é fácil... :)

Cris... disse...

olha-me esse cabrão?
Miúda, tu chama-me, que eu vou ai e lhe digo umas quantas caralhadas em castelhano.

Joder, cabrón de mierda!

Ai, desculpa, deixei-me levar!

Joder!

ianita disse...

Cris: eu disse-as.... em português... mas só para mim mesma... porque ele não merece que eu seja despedida por causa dele... amanhã vamos ver como vai ser...

Beijos

Mag disse...

Muy bién, é assim mesmo!
Tiveste exactamente o comportamento que deverias ter tido, que foi o de levar uma situação irresolúvel por ti a decisão superior!
E foste premiada com um fds de tréguas :)

IandU disse...

é assim que devemos sempre agir. Consciência tranquila. Se ele quer mais, que faça ele.

Lita disse...

Grande mulher!!! Sabes, eu rezo para que uma coisa dessas não me aconteça um dia... provavelmente será o dia em que sou despedida... ;)

Caluda disse...

Parabéns! Estiveste mesmo muito bem. Nem todos sabem usar o "poder" que têm :).

Já me aconteceu uma situação semelhante. Mas deixei a coisa chegar longe demais e acabou de forma bem mais dramática: comigo a espetar o dedo na cara da chefe e a dizer "foi a última vez que falaste assim comigo, ouviste?". E foi mesmo. Despedi-me nesse dia com o coração pequenino e a cabeça atolada de contas por pagar. Não me arrependo... mas, naquele caso, nunca devia ter deixado as coisas chegarem aquele ponto. Depois de sair... a dita senhora foi despedida por justa causa... enfim, um filme! Daqueles bem mexicanos...
Com essa atitude, a coisa só pode correr mto melhor!

ianita disse...

Mag: sim... se o patrão não tivesse falado comigo na sexta-feira eu teria tido um fim-de-semana de porcaria!! Disso não há a mínima dúvida... pelo menos a angústia só durou 1 dia :)

Lita: eu, não sei bem como, mesmo toda a tremer, consigo manter a calma em momentos de crise/stress... depois é que me venho abaixo... foi o que aconteceu...

Caluda: a minha colega anda a aturá-lo há meses... de vez em quando vejo-a na casa-de-banho a chorar por porcarias que ele lhe diz e faz... eu não tenho feitio para andar a chorar pelos cantos. Se há um problema tenho de o tentar resolver... podia ter dado para o torto, mas correu tudo bem...

E hoje ele anda manso que nem um cordeiro! E não só comigo! Ou seja, deve ter ouvido das boas porque eu nunca o vi assim... vamos ver quanto tempo dura ;)

ianita disse...

Iandu: (desculpa ter passado à frente)

Era bom que fosse ele a fazer, mas não faz. E nem quer saber... o que ele dizia era "organiza-te! nem que fiques cá todos dias até à meia-noite" cromo fdp anormal!!

:)

hoje estava mansinho mansinho :)