12 de dezembro de 2009

Delas também reza a História


Mariana Alcoforado - 1640-1723


A segunda de oito filhos de uma família nobre. Dizia a lei da altura que não havia divisões de heranças. A herança cabia ao primogénito macho. Aos outros filhos restava a esperança num bom casamento ou a carreira militar (para os homens) ou religiosa. O pai de Mariana escolheu por ela e ela foi enclausurada no Convento de Nossa Senhora da Conceição em Beja, com 11 anos.

Teria sido apenas mais uma. Quando entrou no Convento, já lá estavam 200 mulheres, nobres como ela. Estiveram milhares antes dela e milhares depois dela. O que tornou Mariana especial,ou conhecida, foi a descoberta de umas cartas escritas por ela... em França.

Por que escreveria para França? Ou por que estariam as suas cartas em França? Porque foi para lá que foi o seu cavaleiro... francês que veio para Portugal, integrando um regimento que vinha ajudar D. João IV contra os espanhóis.

Noel Bouton de Chamilly.

Noel e Mariana conheceram-se ninguém sabe como. Mas conheceram-se e apaixonaram-se. Terão vivido este amor por 1 ano. Mas a história soube-se... houve pressões e o Noel foge para França, alegando uma doença de um irmão. Prometendo voltar para buscar Mariana. É quando vê os dias passar... quando percebe que ele não volta... que ela escreve as famosas cartas.

Foi Jean François Boissonade de Fontarabie quem descobriu as cartas e as re-publicou, tornando-as célebres no início do século XIX. Mas a primeira edição é de 1669. "Lettres Portugaises traduites em Français."

Há e sempre houve dúvidas da autoria das cartas. Porque não podiam ter sido escritas por uma mulher (por estarem "demasiado" bem escritas)... porque se calhar nem eram portuguesas... porque... Há marcas de sintaxe portuguesa nas cartas, o que leva a concluir que as cartas foram mesmo originalmente escritas em português e depois, de facto, traduzidas para francês. Existiu a Mariana Alcoforado que assinou as cartas... o resto cabe-nos a nós acreditar ou não.

Mariana Alcoforado morreu aos 83 anos, tendo chegado a abadessa do Convento. Viveu em clausura quase toda a sua vida. Eu gosto de pensar que, mesmo sem um final feliz, ela teve um ano de felicidade... Fica um excerto de uma das cartas:

"Eu era jovem, era ingénua, tinham-me encerrado neste convento desde menina, nunca tinha visto senão gente desagradável; jamais ouvira os elogios que me fazia constantemente: parecia-me dever-lhe a si os encantos e a beleza que me encontrava e em que me fazia reparar; ouvia dizer bem de si, todos me falavam em seu abono, e, por sua parte, fazia tudo para despertar amor."

6 comentários:

Rony disse...

Há cerca de 2 anos li "Mariana" de Katherine Vaz, um romance histórico baseado em Mariana Alcoforado, e adorei :)

ianita disse...

Rony: aqui há uns anos ofereci à Sofia uma edição das cartas. Ela também gostou muito.

Pax disse...

Eu sempre achei esse Chamilly uma figura intemporal!
Criou toda a ilusão do mundo a alguém que não conheceu a liberdade das suas decisões, foi-se embora sem nunca mais lhe dar notícias e deixou-a a penar uma vida inteira sem saber o que lhe tinha acontecido, porque a teria abandodado, sem compreender como foi possivel abandona-la e para cumulo ainda partilhou segredos de uma paixão proibida, o que sabia seria um escandalo na época.
Eu não acredito que ela tenha sido muito feliz, nem mesmo nesse pouco tempo em que acreditou numa ilusão.

Beijos :)

ianita disse...

Pax: a imoralidade dele nem se questiona...

Mas quando olho para trás, para os meus falhanços amorosos, para as vezes que mentiram e enganaram... prefiro que tenha sido assim do que nunca ter conhecido essas pessoas e sentido o que senti. Sentir-me-ia hoje - hoje que estou sozinha - muito mais vazia se nunca tivesse vivido emoções assim.

Se era uma relação mentirosa? Sim. Só ela é que o amava. Ele não a amava e tratou-a mal. Mas o sentimento dela foi real. Ela viveu-o. Sentiu-o. Se fosse eu, preferiria isso a uma vida sem saber o que é o nosso coração bater mais forte só por pensarmos naquela pessoa... sem as borboletas no estômago... se os beijos arrebatadores...

Não digo que nunca amei só porque nunca fui amada verdadeiramente. Eles podem não me ter amado, mas eu amei. O meu sentimento foi verdadeiro e foi sentido e vivido. E prefiro viver e sofrer que simplesmente passar pela vida sem saber o que é.

Foi nesta perspectiva que disse que ela terá sido feliz... durante o ano em que acreditou que ele a amava.Durante o ano em que ela o amou.

Kisses
(mas que ele era um traste, era.lol)

Pax disse...

Compreendo e concordo com o que dizes mas também acho que as formas como cada um sente o amor, ama, são imensamente diferentes. Tu podes achar que alguém não te amou tão verdadeiramente como tu a essa pessoa e no entanto ele achar que sim. A diferença está no até que ponto estamos dispostos a quebrar preconceitos, romper morais, trocar o seguro pela ilusão e não tenho a minima duvida que ela fugiria com ele assim ele tivesse tido a coragem para emfrentar o mundo. Quem sabe ele também a terá amado, só não o suficiente para enfrentar o que seria a destruição da sua vida da forma como a tinha planeada. É por aí que se mede o Amor Verdadeiro, pelo até que ponto se consegue faze-lo superior a tudo o mais, seja isso o que for.

De qualquer modo, ele traiu o Amor da forma mais cruel. Não lhe bastou abandona-la, deixa-la na angustia e no sofrimento eterno em que deve ter passado todo o resto da sua longa vida como ainda partilhou o que deveria ter sido só dele! Para mim, alguém que faz o que ele lhe fez (ainda para mais considerando a época em que se inserem as suas vidas), não merece sequer o titulo de "homem"!

(Estas coisas revoltam-me o figado! Lol)

ianita disse...

Pax: estou contigo. Ele não teve tomates nem coragem sequer para se despedir com a verdade em vez de ir com a desculpa esfarrapada. Sem dúvida nenhuma.

E a mim estas coisas também me revoltam... a figadeira e outras partes da minha anatomia também :)

Só digo que ela arriscou. Ela amou. Ela viveu. 1 ano. Mais que muitas pessoas podem dizer...

Agora ele... ele é como dizes... nem homem se pode chamar!

Kiss