15 de maio de 2009

Sete Luas

Há noites que são feitas dos meus braços
e um silêncio comum às violetas
e há sete luas que são sete traços
de sete noites que nunca foram feitas
Há noites que levamos à cintura
como um cinto de grandes borboletas.
E um risco a sangue na nossa carne escura
duma espada à bainha de um cometa.
Há noites que nos deixam para trás
enrolados no nosso desencanto
e cisnes brancos que só são iguais
à mais longínqua onda de seu canto.
Há noites que nos levam para onde
o fantasma de nós fica mais perto:
e é sempre a nossa voz que nos responde
e só o nosso nome estava certo.

(Natália Correia)


(Diego Rivera)

8 comentários:

Brigitte disse...

Adorei!!!
Vou pedi-lo emprestado para um post de um destes dias!!!
Pode ser?

Diverte-te e bom fim de semana
:)

ianita disse...

Brigitte: be my guest! Até porque o poema não é meu... é do Mundo!

Kisses

im disse...

Lindo!

Obrigada ;)


Bom fim-de-semana!

Beijos

Joni disse...

Ana tens aqui no blogue, poemas e fotos excelentes. Gosto da forma como te expões... Sincera e aberta. beijo

ianita disse...

im: bom fim-de-semana :)

Joni: simplesmente ianita :) Kiss

Joni disse...

Ana parece que temos o mesmo gosto pela fotografia, gostaria de saber a tua opinião acerca do meu blogue sobre o tema. Agradecido

http://footgrafia.blogspot.com/

ianita disse...

Joni: feito ;) e na fotografia, como em tudo, sou apenas amadora... turista :)

Rice Man disse...

Gostei! :)