21 de janeiro de 2010

Dos simulacros

Fazemos ensaios para tudo. Para nos sentirmos seguros e confiantes na hora H. Nem sempre resulta, porque há condicionantes que na hora do ensaio não se verificam. Na hora do ensaio não há pressão... nem nervos... nem medo. Há tranquilidade. E em serenidade tudo se consegue.

Hoje houve um simulacro na empresa. Correu muito bem, precisamente porque era um simulacro e não uma situação real.

Ninguém ouviu a campaínha. E teve se ser o coordenador de segurança (coxo!) a ir chamar as pessoas, andar a andar...

Lá saímos... na risota, nas calmas.

Para a vida a sério não há simulacros. E só se conhecem as pessoas nas situações limite. É muito fácil ser-se bem-disposto e bem-humorado quando tudo está bem. Mais difícil é ser-se boa pessoa quando tudo corre mal.

Podemos sempre pensar que sem os simulacros a vida real seria pior ainda. Portanto, venham os simulacros.

E hoje voltei a ser "aninhas", depois de umas semanas a ser "pequerrucha". LOL

:)

4 comentários:

NI disse...

Na tua empresa, com coxo ou sem coxo, ainda se fazem simulacros. Na minha empresa em 24 anos que aqui trabalho...nunca se fez um!

bono_poetry disse...

pois eu tambem gosto de chamar aninhas as minhas amigas!!!tu tem cuidado Aninhas,a seguir trata-te por framboesa e pimba!!hehehe

Mi disse...

Pelo menos dá para que as pessoas aprendam uma série de procedimentos... (será que são postos em prática nos momentos de pânico?)

Enfim! :)

ianita disse...

Ni: estamos em processo de certificação :)

bono: jeitosa já fui :)

Mi: em momentos de pânico mandamo-nos pela janela como fez o Vítor Gonçalves....