14 de abril de 2011

Criancices

Quando penso que sou finalmente uma adulta, eis que me dá um daqueles ataques e deito tudo a perder.

É muito difícil ser-se "the bigger person". É difícil. Ignorar ofensas. Ignorar injustiças. Ser superior porque é a melhor "vingança". Acreditar que sou boa pessoa e que o que é meu a mim há-de vir ter. Esquecer os outros e pensar em mim. Mas essa não sou eu... eu penso... sofro... preocupo-me... abdico... e vejo-me a tratar bem quem me trata mal... e penso que é uma forma de ser superior às injustiças de meia dúzia da miúdas mimadas... e sinto-me muito adulta... até que me passo da cabeça e lhes digo que sei. Que sei o que disseram e escreveram de mim. Que sei o que pensam de mim. Que sei que não têm coração. Que mentem. Enganam. E não devia. Soube-o no momento após o ter feito. Foi um erro estratégico. Foi um erro. Porque quem é mau e mesquinho ao ponto que aquelas pessoas foram não vai ter remorsos. Muito menos vai mudar. E o mais provável é eu ainda ir sofrer mais. Porque a melhor forma de defesa é o ataque... a ver que ataque é que de lá vem... porque eu não guardo rancores... não deixo de falar, só não falo de assuntos pessoais. Mas estas pessoas não se vão deixar ficar assim... 
Hoje cedi e fui criança como elas. Cedi à vontade de lhes jogar na cara a ironia da vida. Mas isso não me fez sentir bem. Pelo contrário. Lá porque alguém se comporta mal connosco, não nos dá o direito de responder na mesma moeda. Se condenamos uma atitude, não deveríamos agir da mesma forma.

Os médicos deram-me alta, mas eu acho que preciso de voltar aos divãs... e depressa.



1 comentário:

Sayuri disse...

Não te culpes de nada. A culpa é das coisas mais pesadas que podemos carregar na vida, e faz muito mal as costas!
Eu no teu lugar já teria conforntado as meninas, e acho que fizeste muito bem!