22 de julho de 2009

Todos somos um pouco mórbidos... por isso temos o instinto de olhar para os acidentes... por isso não conseguimos desviar o olhar da serpente que engole o rato mesmo quando isso nos mete um nojo descomunal.

Eu sou um pouco assim. É preciso muito para me fazer mudar de canal...

Mudei de canal... acho indecente passarem imagens de uma miúda a ser mutilada... a miúda sem anestesia... agarrada por meia dúzia de mulheres... e uma delas, com uma tesoura ou com um vidro partido, corta-lhe o clítoris e os grandes lábios... a menina grita e eu mudei de canal. Nem bolinha vermelha isto tem...

Noutro dia falava com a Verónica daquele caso das mulheres que foram chicoteadas no Sudão porque tinham vestido calças em público. E ela dizia-me que muitas vezes dizemos que temos sorte em ter nascido neste Tempo, mas que falta dizer que temos muita sorte em termos nascido neste lado do Mundo...

Como se mudam mentalidades? E como se tira aquela imagem da minha cabeça?

24 comentários:

lilipat2008 disse...

É difícil mudar a mentalidade de alguém que não se predispõe a isso. E não me estou a referir só a este tipo de extremismos absurdos, mas sim às pequenas coisas do dia-a-dia.
Como tiras essa imagem da cabeça? Provavelmente não tiras...talvez com o tempo desvaneça...

bjitos

Sayuri disse...

Eu também já vi um documentario desses e as imagens são aterradoras!

ianita disse...

Lilipat: só o tempo muda mentalidades... porque o Ocidente também já fez destas atrocidades... agora só fazem atrocidades contra animais (pelo menos de forma legal)...

E tens razão... a imagem vai-me ficar gravada...

Kisses

ianita disse...

Sayuri: encolhi-me toda com aquele grito....

Vera Angélico disse...

Pois. Cada pessoa tem pontos sensíveis, e imagens que vão ficando marcadas. A mim, por motivos óbvios, chocam-me atrocidades conjugadas com crianças. O que quer que seja. Mas o pior que me lembro de ver até hoje na televisão, foi uma reportagem sobre pais que perderam os filhos. Chorei muito. Fico arrepiada a cada vez que me lembro. A cenas daquela reportagem que ocasionalmente (ainda) me passam pela cabeça.

Podes não te esquecer, mas vais acabar por te ir lembrando cada vez menos.

A mim ajuda pensar em coisas boas. E fofas. Com cores alegres. Sai uma imagem repleta de Ursinhos Carinhosos... eheheheheh!!!!

;)

Vera Angélico disse...

(Há). Pois claro...

Beijos.

(Não gays).

NI disse...

Como se mudam mentalidades? Séculos e séculos de luta contra dogmas e com muitas mortes inocentes.

Como se tira uma imagem dessas da nossa cabeça? Não se tira mas pode ajudar a atenuar fazendo algo de útil para lutar contra o que provocou a visualização de tal imagem. Há pouco tempo subscrevi uma petição internacional contra a prática da excisão no Sudão.

Beijo

NI disse...

Se alguém quiser assinar, tomo a liberdade de colocar aqui o link (desculpa o abuso):

http://www.respect-ev.org

Cris... disse...

Infelizmente, não se mudam de um dia para outro.
Mas eu tenho fé.
Logo eu, que não sou de muitas fés, tenho fé nisto.
O ser humano há de, um dia, ser mesmo humano por toda a Terra.
Até lá...a dor é indescriptível.

PAULO LONTRO disse...

É muito difícil ver e fingir que não se viu, isto é valido para todas as situações dramáticas desta vida e pelo mundo fora.

Eu continuo a pensar que a nossa ajuda é possível, denunciando essas situações falando nelas.

A minha frase não muda;
O mínimo é sempre mais do que o nada!

casa de passe disse...

As mentalidades mudam-se com a arazão. Às vezes...


Ernesto, o avô


ps-e, nem sempre é correcto o que é politicamente correcto.

dina disse...

também tenho esse lado mórbido, confesso, mas ainda bem que não vi essa reportagem, acho que me tinha dado uma coisinha má.
e tens razão, por muito que me queixe, meu rico cantinho à beira mal plantado.

Verónica disse...

Vi uma reportagem sobre esse tema há muitos anos e as imagens e os gritos lancinantes ficaram marcados a ferro e fogo na minha memória...

E sim, Portugal com todos os seus defeitos é um paraiso à beira mal plantado, os benefícios suplantam largamente o que há de mal.

Basta olhar para o lado, a Espanha está bem melhor em muitos aspectos, mas eu prefiro viver num país sem terroristas... mania minha...

ianita disse...

Vera: essas imagens carinhosas despertam em mim desejos sanguinários!!! :)
E claro, beijos desses :)


Ni: fizeste bem... nunca é demais falar, divulgar, acusar, assinar... gritar... mas será que os nossos gritos se ouvem mais que os daquela menina?

ianita disse...

Cris: o ser-humano tudo pode, tudo consegue... e a verdade é que demorámos milénios a chegar onde estamos... e África está muito atrasada também por culpa nossa (nossa, dos países colonizadores)... mas custa ter paciência e esperar que eles ganhem consciência...


Paulo: podemos falar e denunciar, mas enquanto não houver quem queira de facto mudar, não podemos fazer nada... isto é legal por lá... o que fazer contra coisas que são legais? Eu falo... se quiseres até grito...

ianita disse...

casa de pasto: e com o tempo....


dina: eu não vi a reportagem... eu vi dois minutos de reportagem... e sim... paraíso à beira-mar plantado...

Verónica: eu também tenho manias dessas... principalmente quando me falam da maravilha que são países como os EUA e Canadá... sem subsídios de férias nem de Natal, sem segurança social... com seguros de saúde que não cobrem tudo... ainda nos queixamos das taxas moderadoras... o ECG com prova de esforço que fiz em Fevereiro custava 80euros se eu fosse ao privado.... pelo Estado paguei a taxa moderadora de 5euros. :) E não temos terroristas... e ninguém me chicoteia por usar calças... Há que saber manter a perspectiva.

Beijos

PAULO LONTRO disse...

Pois então grita, podes ter uma surpresa...
Olha, mulheres famosas excisadas não param de lutar e essas, melhor do que nós, sabem como é difícil mudar a mentalidade das gerações passadas e sabem também que provavelmente só daqui a várias gerações estas selvajarias acabarão.
Lembro-me por exemplo da mulher do David Bowie a ex modelo Iman.
Esta senhora continua a dar a cara pelo que lhe fizeram e corre o mundo a denunciar.
Ianita, se temos à mão o blog, e só temos esse instrumento, pois seja com esse a nossa luta.
Ou assinando petições como sugere a NI.
Ninguém nos impede de falar !!!!

ianita disse...

Paulo: sim. Vivemos num grande país... ninguém nos impede de falar... nem de criticar... nem de apontar dedos... nem de nada... ainda assim ainda não conseguimos acabar com os touros de morte e com as touradas em geral...

Isto cansa-me... desmotiva-me... porque só nuns centos de anos é que isto muda...

Beijos

LP disse...

Acho em que ainda estou na fase em que posso(demos) mudar o Mundo! :)

ianita disse...

LP: e podemos, e podemos... porque a cada pessoa que pensa de forma diferente, o Mundo fica diferente... nós somos mais tolerantes que os nossos pais... os nossos filhos serão ainda mais tolerantes que nós... temos de contribuir para que assim seja... podemos mudar pelo menos o nosso Mundo... como o bater de asas de uma borboleta :)

Bate as tuas asinhas!

IandU disse...

Em tempos andei a ler muito sobre esse, e outros, assuntos. Li livros da Edições Asa - Colecção: Documentos.

Impressionante cada relato!

ianita disse...

iandu: impressionante mesmo... parece que há vários mundos no mesmo mundo, não é?

IandU disse...

E não há mesmo?

ianita disse...

iandu: para o bem e para o mal... há