29 de janeiro de 2010

Ignoto Deo

Desisti de saber qual é o Teu nome,
Se tens ou não tens nome que Te demos,
Ou que rosto é que toma, se algum tome,
Teu sopro tão além de quanto vemos.

Desisti de Te amar, por mais que a fome
Do Teu amor nos seja o mais que temos,
E empenhei-me em domar, nem que os não dome,
Meus, por Ti, passionais e vãos extremos.

Chamar-Te amante ou pai... grotesco engano
Que por demais tresanda a gosto humano!
Grotesco engano o dar-te forma! E enfim,

Desisti de Te achar no quer que seja,
De Te dar nome, rosto, culto, ou igreja...
– Tu é que não desistirás de mim!



José Régio, in 'Biografia'

3 comentários:

Vera Angélico disse...

Já devemos ter abordado este tema algumas vezes. O poema é lindíssimo. Sabes que eu acredito. Apesar das fases da vida. E das perdas, que tantas vezes me distanciaram. Lembro-me especialmente da última. Da minha revolta com Ele. Com as explicações que me deram da Sua bondade. Quando apenas via um Deus cruel e castigador. E não era cruel e castigador que ele deveria ser. E o ensinamento principal seria a nossa felicidade. O sacrifício para o nosso bem. Mas para onde quer que se virem os nossos olhos, porque as surpresas más acontecem quase que diariamente... a tendência é para perguntar, como na música: "Que Deus?" (que aliás, já postei no blog).

Depois fiz as pazes com Ele. Sem acreditar na imagem que me vendem. No dia em que tiraste esta foto. No dia em que a vi. Senti-O. Não te disse, mas sei que Ele lá estava, como está sempre. Como O vejo, da forma em que acredito. Como às vezes Lhe falo. Ora para Lhe agradecer, ora para me lamentar. Ora para Lhe perguntar simplesmente "porquê"?

Eu tenho o meu. Diferente daquele que apregoam. Mas semelhante, ao ponto de achar que há determinados ritos nos quais devo participar.

Não sei explicar. Mas sei-O na minha vida. Ele, e outras tantas forças superiores que me transmitem uma paz incrível.

No fundo, acho que todos temos os nossos...

Andy disse...

Lindo o poema...assim como o comentário anterior (de Vera Angélico), muito bonito! Eu tb tenho o meu, à minha humilde maneira, com as minhas limitações mas com o meu verdadeiro sentir.
Bjinhos

ianita disse...

Vera: eu tenho um problema com este assunto que me impede de acreditar... mas também não "não acredito"... gostei da solução do Zézinho na "Fórmula de Deus" :)

Andy: Cabe a cada um de nós encontrar o seu deus... encontrar a sua paz...

Kisses