7 de março de 2010

An afternoon at the Theatre

"Ó habitantes de Tebas, nossa pátria, olhai: este é Édipo que conhecia os famosos enigmas e era o mais poderoso dos homens; ele, a quem nenhum dos cidadãos contemplava sem invejar a sua sorte, em que procela de desgraça se vem precipitar! Assim, aos olhos dos mortais que esperam ver o dia derradeiro, ninguém pareça ser... feliz, até ultrapassar o termo da vida, isento de dor." Sófocles, Rei Édipo

Sozinha. Nunca tive medo de estar sozinha, porque não me sinto sozinha. E sempre achei útil passar tempo comigo. Com os meus pensamentos. Ainda assim... nunca tinha ido sozinha ao cinema, muito menos ao teatro.

Aliás... tinha a mania de dizer que nunca tinha ido sozinha a parte nenhuma. Às vezes não olhamos bem as coisas que fazemos e têm de ser pessoas de fora a apontar o dedo e dizer... é mentira... não foste para a Amadora sem conhecer lá ninguém, arranjaste trabalho e casa e foste sozinha? Não foste 2 meses para Albufeira? Carregaste o carro e foste... sem ter ninguém conhecido à espera e sem saber bem ao que ias?

Verdade. Enchia eu a boca para dizer que nunca tinha ido sozinha a parte nenhuma, que era medricas e afinal já fiz muitas coisas... já venci muitas barreiras. Barreiras minhas. Internas. Pessoais.

Ainda assim... dessas duas vezes fui para trabalhar... em lazer é mais complicado andar sozinha... não quer dizer que não vá sozinha à praia... ou que não vá às Capelas Imperfeitas em busca do príncipe... ou tomar um chá a um cafézinho à beira-mar. Mas tudo aqui na minha zona de conforto... no meu ambiente...

Ontem fui ao cinema. Sozinha. Vi o filme sem ter com quem o comentar. Com quem rir. Com quem chorar. E ri na mesma o que tinha de rir.

Hoje fui ao teatro. Uma peça que queria muito ver. Em Lisboa. Comprei o bilhete há já duas semanas. E fui. Sozinha. Com planos de um café com uma amiga depois de almoço. Fui às compras... fui almoçar... fui tomar o chá à Brasileira... vi material importado de primeiríssima qualidade... caminhei até ao Rossio e fui ao Teatro. Sozinha. Sem ter com quem comentar a performance fantástica do Diogo Infante. Sem ter com quem comentar o fantástico jogo de luzes. Sem ter com quem comentar a música... Minto. Fui comigo. E gostei muito da companhia.

A primeira fase do meu plano está completa. Foi superada com sucesso. Venha a segunda!





(o Rei Édipo, a par da Medeia, é, para mim, a melhor tragédia da história das tragédias... como um homem sábio se pode perder... com um homem inteligente e até visionário não vê o que está mesmo à sua frente... "maior cego é aquele que não quer ver", n'est pas? Édipo cega-se, mas já estava cego há muito, embora visse a luz. Todo o conflito, o drama, a inevitabilidade dos Fata... tudo ali, muito bem representado. Já li esta peça uma dúzia de vezes, tendo até traduzido excertos, mas uma peça só se concretiza no palco. E vê-la ali assim... foi como se nunca a tivesse lido... Recomendo... a quem goste dos Clássicos... a quem goste de psicologia... a quem goste de teatro. Na sala Garrett, no Teatro D. Maria II)

10 comentários:

dina disse...

olá
desculpa vir por aqui, mas estou a estranhar uma coisa
alguém sabe do "bono"?
está tudo bem?
bjinhos

coisasdacleo disse...

Eu gosto da minha companhia, dou-me bem comigo... mas falta-me dar esse passo e fazer esse programa comigo =)

ianita disse...

dina: não sei de nada... e nem tenho forma de contacto, além do e-mail e do msn... :(

Cleo: pois... é tipo eu... e agora, à beira dos 30, no balanço da minha vida, na perspectiva do que ainda quero para mim, vendo que os meus amigos nem sempre querem o mesmo que eu, nem sempre gostam do mesmo que eu, ou porque têm namorado/a ou marido/mulher, ou porque não têm dinheiro, ou porque não ou porque sim... estou farta de estar em casa a lamentar-me que não tenho companhia para fazer algumas coisas que quero... Desta vez nem convidei ninguém. Foi o meu primeiro passo. Comprar o bilhete e ir sozinha. Comigo. E vou levar a experiência mais longe. Ai se vou! Mi aguarde! :)

Vera Angélico disse...

Olha... eu acho que há coisas que nos faz bem fazermos sozinhos. Em Janeiro estive num hotel sozinha, como sabes. Antes de ir, pensei que me ia sentir estúpida, e afins. A verdade é que a minha companhia foi agradável. E foi bom sentir o meu espaço. E fazer o que me deu na gana, sem ter que "dar cavaco" a ninguém.

(Estou aqui numa de saber qual é a próxima aventura... mas já vi que não há hipótese nenhuma... lol).

Beijos.

ianita disse...

Vera: eu vou a sítios sozinha. Tantas vezes já fui a Coimbra sozinha só para ir Às compras... mas Coimbra, como as coisas quase todas num raio de 80km, faz parte da minha zona de conforto.

O que pretendo com esta experiência é sair da minha zona de conforto e pôr-me à prova. Ir ao teatro a Lisboa não é a mesma coisa que ir a Leiria nem mesmo a Coimbra, entendes?

Eu sei que sou esquisita, mas preciso de me pôr à prova... até porque tenho de me habituar a isto!

Kisses

Ric e Sofy disse...

Olá olá!

Depois de uma ausência "forçada", estou de volta! O meu blog tinha um vírus que não deixava fazer nada, mas já aniquilei o filho da mãe mwahahahahahah! Passa por lá :) Já tenho saudades de blogar...e sempre gostei muito de blogar por aqui ;)

Beujo grande

Sofy

eternodiadema.blogspot.com

Sayuri disse...

Uma rotação de 180º para a direita, e na foto onde estas sentada com o Pessoa, aparecia Apolo, o deus norte-americano! :D

ianita disse...

Ric: vou espreitar :)

Sayuri: eu bem que disse que devíamos ter pedido para nos tirarem uma foto Às duas... não era descabido... toda a gente tira fotos naquele lugar... e ele estava mesmo mesmo ali à mão de semear!

Tinha um ar tão só e abandonado... eu bem que lhe dava aconchego :)

Isandes disse...

é, a gente desvaloriza-se tanto...
mas se tamos à espera d ter sempre companhia, na fazemos 1 data d coisas giras.
já fui ao cinema, a 1 concerto e a 1 casamento só. algumas destas coisas na foram tão divertidas, claro, mas se na as fizesse... De férias nunca iria só, not.

ianita disse...

Isandes: é um bocado por aí... claro que era melhor com companhia. Mas assim é melhor que não ir de todo... :)